Pesquisar
Close this search box.
/
/
OPINIÃO: Sob o signo da melancolia: sanidade em tempos de vício

OPINIÃO: Sob o signo da melancolia: sanidade em tempos de vício

A pandemia do novo coronavírus escancarou nossa inaptidão para lidar com a renúncia e com nossos medos. Vamos nos render à incerteza sem racionalidade?

A coisa estava lá na China, a pouco mais de meio mundo de distância. Recebíamos vagas notícias de uma nova gripe que ameaçava ganhar o mundo como a famigerada H1N1 e que teríamos de voltar à rotina de embeber as mãos em álcool gel novamente. Aos poucos, relatos de que uma cidade chinesa chamada Wuhan estava submetendo sua população à quarentena causaram alguma estranheza: “como assim, quarentena? As pessoas têm de ficar em casa, é isso? Só os doentes?”.

Aos poucos, o minúsculo vírus ganhou um nome – COVID-19 – e começou a viajar pelo mundo. Foi para a Coreia do Sul, Hong Kong, apareceu na Itália, foi minimizado – “outra dessas gripes aviárias, suínas”. De repente, em meados de fevereiro, o mundo começou a disseminar informações tão rápido quanto o novo coronavírus se espalhava. Os tons de curiosidade ganharam notas de alarme quando o vírus explodiu na Itália violentamente, tomando todo o norte do país. França, Alemanha, Espanha, EUA, Canadá e finalmente o Brasil começaram a noticiar casos. Quarentenas, fechamento de comércio, cancelamento de jogos, campeonatos, shows, festas, eventos, Jogos Olímpicos adiados!

Em apenas um mês, o caos econômico se instalou. Ao lado da absurda velocidade de disseminação do vírus, a deterioração acelerada da força dos mercados trouxe o pânico, com queda vertiginosa das bolsas de valores, incertezas, alarido, confusão. E enquanto as pessoas se recolhiam às suas casas, incorporamos novas palavras ao nosso cotidiano: a quarentena, o isolamento social, resguardo, contaminação, transmissão. Um vírus para os novos tempos, exemplarmente identificado com a era digital, o COVID-19 se propaga como meme, zomba de autoridades sanitárias, fronteiras, ricos, políticos, celebridades, médicos, hospitais, metrópoles e vai se instalando, pedindo passagem, querendo realizar o antigo sonho da lendária Coca-Cola, atingir cada um dos habitantes do planeta.

Tempos de vício

A combinação de isolamento social, empresas fechadas, ausências de opções de lazer coletivo, esportes, medo de perder queridos e de sermos, cada um de nós, agentes de transmissão do vírus, criou uma outra epidemia, esta potencialmente mais duradoura, certamente não tão viral mas preocupante: melancolia.

Os contingentes de cidadãos e trabalhadores que têm o privilégio de exercer suas atividades conectados, estão manifestando uma mistura de sentimentos de tristeza, falta, perda, carência de afeto, de contato físico, de espaço. Uma coisa é trabalhar no modelo home office quando é uma opção que não limita a pessoa a sair de casa quando bem quiser. Outra, é fazer do home office praticamente sua única  janela de contato com o mundo exterior. A maior parte daqueles que têm a opção e o privilégio de estarem confinados também enxerga com angústia a situação econômica e o desmoronamento instantâneo das projeções de crescimento, vendas, investimentos, promoções. E para piorar, a melancolia se acentua quando surge a pergunta sobre como sairemos desta crise? Conseguiremos nos sentir à vontade em aglomerações mínimas? Ficaremos à vontade em filas, nos bancos, nos supermercados, nos aeroportos? Iremos abraçar estranhos nos jogos de futebol, baladas e shows?

Governos batem cabeça quase que no mundo inteiro, salvo exceções que contribuem para manter certa altivez do gênero humano, humilhado pelo esperto novo coronavírus – Alemanha, Coreia, talvez o Japão. Do lado brasileiro, o desencontro de visões, a apoplexia de empresários, formadores de opinião, e a desconexão de parte do governo federal com a realidade chama a atenção negativamente. O momento é de colaboração e intensa troca de informações entre municípios, estados e governo central, políticas devem ser coordenadas e uma visão efetiva sobre como proteger os cidadãos da infecção, do contágio, cuidar dos necessitados e sintomáticos e também das empresas que estão impossibilitadas de vender em escala mínima sequer deveria concentrar esforços e não disputas. O falso dilema entre escolher mortos pela pandemia ou pela ruína econômica está ganhando corpo e adeptos neste momento em que tudo parece irracional.

“O momento é grave, exige diálogo…”

É fato que para combater os efeitos dessas 3 epidemias devastadoras –  do novo coronavírus, da economia em lockdown e da melancolia derivada do isolamento – será necessário muito dinheiro. E os governos precisam saber que este é o momento de renunciar e de irrigar a economia com crédito e com confiança. Pelo menos R$ 1 trilhão deveriam estar sendo alocados de todas as fontes disponíveis, de todas as reservas técnicas existentes para combater esses males. É preciso que a sanidade prevaleça nesses tempos repletos de vícios e vírus.

Governos devem renunciar a impostos por 3 meses, bancos devem renunciar a emprestar a juros positivos, empreendedores devem renunciar a lucros no curto prazo, pessoas devem renunciar a estilos de vida mais opulentos por algum tempo, políticos devem renunciar a algumas de suas crenças e preconceitos mais arraigados em nome de uma recuperação mais rápida, menos dolorosa, menos conflituosa e aflitiva dos doentes, dos isolados, das empresas, crianças, pais e empreendedores. Essa atitude vai muito além do álcool gel, de lavar as mãos e de mostrar resiliência nesse momento de solidão conectada.

O momento é grave, exige diálogo, transparência, coragem, paciência e solidariedade. Sobretudo, exige racionalidade. Sem discernimento, frieza e exame acurado da situação e pragmatismo,  não haverá boas decisões, ao contrário. Veremos apenas o debate infrutífero que insufla extremos e alegra as redes antissociais. O novo coronavírus vai passar. O problema maior é o que ficará depois dele. Quiçá não seja a melancolia que ora nos consome diante da incerteza e da falta de liderança e de razão.


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]