Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como trabalhar a jornada de um consumidor que tem pouca confiança?

Como trabalhar a jornada de um consumidor que tem pouca confiança?

Pesquisa do BID aponta que o Brasil é o país mais desconfiado da América Latina, com níveis muito abaixo da média continental e global

Há quem diga que o brasileiro é desconfiado. E a “cisma” não vem em vão: fazer negócios por aqui pode ser mais difícil do que parece. Afinal, para o meio varejista, conquistar a confiança do consumidor é mais do que um desejo, é uma necessidade, porque para o bom andamento dos negócios, o cliente precisa se sentir seguro, amparado e assistido pela marca onde comprou seu serviço ou produto. Mas em um país como o Brasil, no qual a confiança é algo raro, essa pode ser uma tarefa mais difícil do que se parece.

É o que diz o estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), obtido pelo Estadão/broadcast: apenas 4,69% dos brasileiros dizem confiar no outro, uma porcentagem muito baixa, ainda menor que a da América Latina, que gira em torno de 12,6%. E seja uma questão cultural ou não, a própria média do continente é bem inferior à média mundial, de 25%.

Em linhas gerais, o índice mostra o quanto a situação socioeconômica influencia no grau de confiabilidade das pessoas, posto que em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) — mais desenvolvidos e com melhor qualidade de vida — a porcentagem sobe ainda mais, para 41%. O estudo analisou também as correlações entre a confiança e aspectos específicos de trabalho, tais como níveis de produtividade, formalização no mercado de trabalho e inovação. Assim, quanto maior o descrédito, maior a desconfiança.

Isso significa dizer, portanto, que as empresas têm um trabalho ainda mais árduo na hora de planejar e perpetuar uma jornada de compras por aqui. Porque embora as inovações de fora sejam encantadoras, podem não funcionar para um público mais desconfiado do que a média global.

Infográfico I
Fonte: Banco Internacional de Desenvolvimento (BID)

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Pensando o CX para um público sem confiança nas marcas e pessoas

Embora a taxa de confiabilidade dos brasileiros seja de fato muito inferior a outros países — é o menor de toda a América Latina, abaixo até mesmo da Venezuela (5,21%) —, isso não quer dizer que o público do País seja completamente inconquistável. É um alerta para que as empresas programem sua experiência com consciência de que é necessária uma assistência mais focada, personalizada e concentrada para que os negócios fluam da melhor forma.

Uma das maneiras de aumentar a confiança veio justamente com a digitalização: processo pelo qual é possível ter uma visão mais ampla da marca, que empodera o consumidor, aumenta as possibilidades de busca e, assim, permite um relacionamento mais transparente. É por isso que as jornadas digitais ganharam tanta força na pandemia por aqui e devem seguir em alta nos próximos anos.

Outro ponto relevante está relacionado à experiência do cliente. Partindo do princípio de que o brasileiro tem mais dificuldade de confiar nos outros e nas empresas, promover ações que gerem mais segurança aos consumidores é uma maneira eficiente de gerar mais engajamento e sinceridade. Isso pode vir em um atendimento mais personalizado, bem como maior assistência em determinadas ações do pré e pós-venda.

Vale considerar que o atendimento precisa ser trabalhado com base na premissa de gerar mais transparência ao consumidor. Esse acompanhamento tem o poder de gerar não apenas mais confiança, como também fidelização: ainda que o brasileiro seja mais desconfiado, ele também conta com um traço de personalidade importante: uma vez que se sente seguro com a marca, tende a indicá-la e consumir nela por um longo período de tempo.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Índice de Confiança do Consumidor apresenta queda de 9.8 pontos em março
Artigo: Esqueça a fidelidade, foque a confiança

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]