Pesquisar
Close this search box.
/
/
A jornada do cliente anda mais para rali; entenda por que

A jornada do cliente anda mais para rali; entenda por que

Acidentes e armadilhas encontrados pelo consumidor durante a jornada digital interferem diretamente na boa experiência

Dia desses, recebo um push por SMS. A mensagem foi redigida e me motivou a clicar e baixar o app. A interface passo a passo me incomodou um pouco. Mas, a validação final pedia o acréscimo de um código enviado por SMS. Cliquei no botão para receber o tal código. Nada. Cliquei de novo, nada. Até hoje, nada do tal código. Curioso: o push inicial chegou até mim no mesmo telefone em que deveria receber o código…

Pano rápido. Gosto muito de comprar em um e-commerce de cervejas. Há um magnífico sortimento das mais diversas cervejas do mundo todo. Gosto de presentear amigos com packs especiais, diversas variedades, sabores distintos. Mas o site tem um problema inacreditável: todo pedido é feito em meu nome. Assim, no data base deste e-commerce, devo ser um bebum itinerante, já que meu nome está em uns 5 ou 6 endereços, assim como algumas vezes o destinatário nem sabe do presente, já que chega em sua casa com o meu nome. O site não dá a opção de “presente” no momento do pedido.

Outra cena, quase de pastelão: cliente compra um celular novo. A transferência de dados do anterior para o atual transcorre sem problemas. Tudo funciona à perfeição, até que a cliente tenta usar a modalidade de pagamento via celular. Não funciona. O banco envia um push falando que é necessário revalidar o aplicativo de pagamento no próprio app da instituição. A cliente acessa o app do banco e vê a mensagem de que é necessário fazer a validação final em um caixa eletrônico, em uma agência (em plena pandemia!). Ela vai até a agência, mas o caixa exige identificação biométrica para acessar a função de validação do pagamento via celular! Para finalizar, a biometria não funciona…

Histórias como essas apenas demonstram o quanto a jornada do cliente, nesses tempos de imersão digital, está mais para rali. São muitos os acidentes, as armadilhas colocadas no caminho aqui e ali, por displicência, erros de metodologia, desconhecimento ou equívocos no mapeamento da jornada e da experiência oferecidas ao consumidor.

A maior parte das empresas ainda está na curva de aprendizado, tateando e descobrindo maneiras de criar uma experiência digital que faça sentido e que possa fluir de maneira natural, intuitiva e simples para o cliente. Ainda assim, as falhas observadas na adoção de interfaces digitais são constrangedoras, beirando o amadorismo. Parecem protótipos ainda em evolução e que criam embaraços, dúvidas e sentimentos negativos no cliente.

Pontos de atenção

Por que esse uso e aplicação do digital é tão deficiente? Quais são os processos dentro das empresas, que levam à uma execução repleta de momentos de “vale”, de decepção? A montagem do time que vai planejar, desenhar, modelar uma experiência digital ou phygital obedece à multidisciplinaridade? É apoiada por especialistas ou técnicos de fora? A ideação, concepção e protótipo da experiência e da jornada foi testada a contento? A verificação de cada etapa da jornada foi contemplada? E por que os sistemas de informação não permitem ao cliente relatar de bate-pronto os problemas, lacunas, falhas que observa em sua jornada?

De nada adiantar colocar um chat bot limitado que só oferece respostas para perguntas triviais, quando o cliente simplesmente não consegue receber um código por push, alterar um meio de pagamento, monitorar uma compra, acessar uma QR Code dentro de uma loja.

Sabemos que o cuidado com o planejamento não é exatamente o forte da nossa cultura local. Um traço que invade e subverte até mesmo as mais sólidas e disciplinadas culturas corporativas. Ainda assim, as empresas precisam estabelecer processos de inovação que tenham indicadores claros de qualidade, de avaliação da experiência, de revisão das etapa das jornadas nos diferentes canais, procurando reduzir os gargalos e aprimorar as interfaces. Isso vale para empresas das áreas de varejo, bancos, cartões de crédito, saúde, educação, serviços digitais, para onde quer que olhemos enfim.

O consumidor está cada vez mais adaptado às interfaces digitais e cada vez mais à vontade para transacionar em ambientes híbridos, indo do on para o off e vice-versa naturalmente. Essa uniformidade, a busca pela “omnichannel-one perception” deve ser obrigatória para toda incursão digital de uma empresa.

Não é fácil. Exige método, disciplina, estudo, tentativa, muito agile para identificar rapidamente pontos de melhoria. Acreditem: eles existem. Sempre, em cada etapa da jornada do cliente.

Tão importante quanto promover a tão anunciada transformação digital é fazer das infovias digitais caminhos suaves, verdadeiros tapetes relacionais e transacionais. É impensável que nesses tempos difíceis, onde tudo parece conspirar contra a confiança e o consumo saudável que façamos o cliente enfrentar um rali para conseguir o que quer.


+ Notícias 

Como implementar a experiência phygital no varejo 

De que forma o 5G promete revolucionar o mercado brasileiro? 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]