Pesquisar
Close this search box.
/
/
IDENTIDADES: Conheça os Nativos Ecológicos

IDENTIDADES: Conheça os Nativos Ecológicos

Eles estão mudando os paradigmas sobre o que é luxo e como as marcas e empresas devem se comportar para viabilizar escolhas sustentáveis de fato

A crise climática mundial e carregam consigo uma visão de sustentabilidade e ecoansiedade. Além disso, já nasceram eco-friendly, imersos nas novas tecnologias e com altíssima consciência social.

Os membros dessa geração são conhecidos por viverem em comunidade e, consequentemente, serem politicamente engajados – “política”, aqui, deve ser interpretada no sentido romano de contribuição no coletivo. Assim, são ultraconscientes de que todos os seus valores e comportamentos terão consequências no ambiente em que vivem – sejam eles hábitos de consumo, sejam de habitação ou de ética humana, apenas para citar alguns.

O termo foi cunhado pela especialista em tendências Iza Dezon, representante brasileira oficial da Peclers Paris e fundadora da Dezon Consultoria Estratégica. “Os nativos ecológicos estão conectados à crise climática 24 horas por dia desde que se entendem por gente. A preocupação e a persistência da crise climática pra eles são especialmente tangíveis”, explica ela.

nativos ecológicos
Foto: Tsunami Green (Unsplash)

Reavaliando estratégias

As preocupações intrínsecas dos nativos ecológicos e seu engajamento em trazer novos hábitos para a sociedade estão evocando mudanças fortes nas cidades, empresas e marcas, que vão muito além da reciclagem e da separação de resíduos. Com as Gerações Z e Millennial ganhando relevância como forças de trabalho e de consumo da sociedade, as empresas precisam repensar estratégias para cativar esse público, não apenas em termos de compra e aquisição, mas também na experiência de contratação e na retenção de talentos.

Dezon compartilha: “Uma preocupação central das empresas é como elas vão conseguir atrair funcionários. Não adianta ter uma marca e não conseguir contratar o jovem de hoje. As pessoas não estão procurando só consumir com mais consciência, mas também pertencer a marcas e sistemas que estejam preocupados com impacto positivo social e ambiental”.

E como as corporações devem fazer para dialogar com os nativos ecológicos digitais? Para a especialista, a estratégia mais importante é que as empresas comecem a olhar de dentro para fora, promovendo mudanças que sejam estruturais e não apenas incrementais. Ela chama a atenção para o chamado greenwashing anglicismo que designa empresas e organizações que fazem marketing “verde” mas que não adotam, internamente, valores realmente amigáveis ao meio ambiente.

“As empresas precisam conseguir alinhar a comunicação com o comportamento interno. Muitas ainda fazem toda uma comunicação sobre sustentabilidade, mas no escritório ainda utilizam copos de plástico, por exemplo”, afirma. Ela complementa dizendo que isso vale não só para o ecológico, mas também para todas as questões que estão em voga ultimamente, como racismo, feminismo, homofobia, transfobia etc.

O perfil dos nativos ecológicos

Vivem em comunidade ✓

São membros da Geração Z e final dos Millennials ✓

Não entendem negócios feitos puramente offline ✓

Buscam sair da zona de conforto ✓

São politicamente engajados ✓

Seus parâmetros de luxo não envolvem ostentação ✓

Seguem a lógica da redução de recursos (e não da redução financeira) ✓

Investigam e questionam o que está por trás do que consomem ✓

nativos ecológicos
Foto: Richard Dacker (Pexels)

Do início a um novo início

A preocupação institucional citada por Iza Dezon já é velha conhecida de muitas empresas pelo mundo, que já estão buscando inovações sustentáveis e incrementais. O crescimento das redes sociais, inclusive, tem “fechado o cerco” ao redor da problemática do greenwashing, através do poder de divulgação unilateral de informações.

Os meios de comunicação digitais viabilizaram o desejo de consumidores que buscam dialogar objetivamente com as marcas e questioná-las muito mais, demandando informações sobre como, onde e por quem são produzidos seus produtos. Sem este cenário, não há mais como construir uma relação de confiança e credibilidade com o público.

O comportamento focado em informações sobre toda a cadeia de produção e descarte faz parte do dia a dia da gestora ambiental Júlia Luchesi, apresentada no projeto Identidades. Ela contou à Consumidor Moderno que escolheu trabalhar com gestão ambiental para desenvolver projetos que visam gerar impacto para a sociedade, tanto para melhorar a maneira como a população lida com o meio ambiente quanto pela perspectiva de relacionamento social.

Um dos momentos mais importantes de sua carreira, ela conta, foi quando trabalhou no Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), movimento cuja missão é o empoderamento dessa classe trabalhista. Hoje, cerca de 90% do lixo reciclado no Brasil é destinado à reciclagem por catadores, o que faz destes indivíduos peças-chave nas ações sustentáveis do País.

Depois disso, anos de trabalho a levaram a Berlim, na Alemanha, para trabalhar com a educação ambiental de jovens onde teria um chefe catador há 30 anos e militante em políticas públicas, e a Índia, onde morou em uma casa com mulheres de uma cooperativa de catadoras sem nenhum acesso a eletrodomésticos.

Essas experiências “viraram a chave” nos valores de Júlia, que trouxe novos aprendizados e práticas de consumo muito mais conscientes após seu retorno ao Brasil. “Quando você tem a noção de que cada coisa que você faz transforma o território, você fica mais exigente. Desde comprar um produto, saber onde vai parar este produto até olhar nas informações onde foi produzido”, conta. “Sou a chata de casa no bom sentido de ter de lembrar que é importante separar as embalagens, cuidar do resíduo orgânico, ter uma composteira; são ações diárias. Trabalho com isso, então é algo que permeia minha vida em vários âmbitos.”

Leia a matéria completa na edição de setembro da revista digital Consumidor Moderno, clicando aqui.


+ Notícias 

Para a geração dos Zennials, depois da pandemia, nada mais será como antes
Setembro Amarelo: como as empresas podem contribuir com a saúde mental do colaborador
The Social Dilemma: documentário mostra o impacto das mídias sociais no comportamento das pessoas

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]