Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que especialistas em IA de Big Techs e universidades querem dar um tempo na Inteligência Artificial

Por que especialistas em IA de Big Techs e universidades querem dar um tempo na Inteligência Artificial

Carta assinada por bilionários como Elon Musk, fundadores de redes sociais e funcionários seniores de Google e Microsoft defende uma pausa no desenvolvimento de novas tecnologias para que sociedade se adapte ao poder da IA

“Pedimos a todos os laboratórios de IA que parem imediatamente por pelo menos 6 meses o treinamento de sistemas de IA mais poderosos que o GPT-4”, diz a carta aberta assinada por quase 1.400 especialistas em tecnologia, incluindo Steve Wozniak, cofundador da Apple; co-fundadores do Skype, do Pinterest e da Getty Images, além de pesquisadores e desenvolvedores de Google e Microsoft e o bilionário (e agora dono do Twiiter) Elon Musk.

O principal motivo para o surpreendente pedido feito por algumas das maiores autoridades do mundo parece ir contra a corrente. Boa parte dessas empresas, universidades e instituições estão em uma disputa frenética para conquistar protagonismo com ferramentas de tecnologia de inteligência artificial como o ChatGPT, que desde quando foi lançado, em novembro do ano passado, provocou um buzz poucas vezes visto devido à sua capacidade de interagir e responder a questões complexas como se fosse um humano, graças à sua rede neural de conhecimento.

Leia Mais: Todo mundo quer ter seu ChatGPT: Microsoft anuncia Bing com a AI, Google lança rival

“Os sistemas contemporâneos de IA estão se tornando competitivos em tarefas gerais, e devemos nos perguntar: devemos deixar que as máquinas inundem nossos canais de informação com propaganda e falsidade? Devemos automatizar todos os trabalhos, incluindo os satisfatórios? Deveríamos desenvolver mentes não-humanas que eventualmente nos superassem em número, fossem mais espertas, obsoletas e nos substituíssem? Devemos arriscar perder o controle de nossa civilização? Tais decisões não devem ser delegadas a líderes tecnológicos não eleitos. Sistemas poderosos de IA devem ser desenvolvidos apenas quando estivermos confiantes de que seus efeitos serão positivos e seus riscos serão administráveis”, afirma a carta.

“Deveríamos desenvolver mentes não-humanas que nos superassem em número,
fossem mais espertas, obsoletas e nos substituíssem?
Devemos arriscar perder o controle de nossa civilização?”

Na avaliação dos signatários da carta, “os sistemas de IA com inteligência competitiva humana podem representar riscos profundos para a sociedade e a humanidade, conforme demonstrado por extensas pesquisas e reconhecido pelos principais laboratórios de IA. (…)
Infelizmente, esse nível de planejamento e gerenciamento não está acontecendo, embora os últimos meses tenham visto laboratórios de IA em uma corrida descontrolada para desenvolver e implantar mentes digitais cada vez mais poderosas que ninguém – nem mesmo seus criadores – pode entender, prever ou controlar de forma confiável”.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

O grupo defende que o desenvolvimento de tecnologias ainda mais complexas e completas de IA só deveria acontecer a partir do momento em que houver mais segurança sobre os efeitos que ela pode precipitar e a capacidade de administrar os riscos que nascem junto com a tecnologia.

Para Jacques Meir, Head de Conhecimento do Grupo Padrão, a carta divulgada esta semana é “uma tolice constrangedora”. Apesar do potencial de a inteligência artificial substituir algumas atividades profissionais, como acontece com todas as tecnologias, desde muito antes da Revolução Industrial, Meir não crê que o futuro com a IA seja tão apocalíptico como a carta sugere. “IAs irão substituir empregos razoavelmente qualificados com tarefas que nós, humanos não queremos fazer e trarão ganho de produtividade e abrirão oportunidades para novas profissões”, aponta.

Leia Mais: CVX 2023 começa com uma provocação: precisamos ter medo das IAs?

Mas Meir faz uma reflexão sobre o impacto da IA na ‘economia real’ e o significado deste tempo de pausa. “O que significa parar a evolução das IAs por 6 meses? Por que essa visão de colonizador sobre os perigos da IA em um mundo onde 75% da população mundial vive com renda média e repleto de pessoas que não terão seus empregos sucateados ou eliminados pela IA? Não há nenhum estudo sério sobre a extinção de cabeleireiros, encanadores, eletricistas, profissionais de manutenção, reparadores de celular, cozinheiros, garçons, tesoureiros, faxineiros, lixeiros, agricultores, policiais e um sem-número de profissões que fazem parte da vida real e não da bolha cognitiva desses “especialistas” de araque com problemas existenciais do nível 1 de renda”, afirma o especialista.

Na carta o grupo sugere que essa pausa de seis meses sirva para que as empresas que estão desenvolvendo a tecnologia trabalhem na implementação de protocolos de segurança comuns para design avançado de IA.

Conheça o Mundo do CX

“Isso não significa uma pausa no desenvolvimento da IA em geral, apenas um retrocesso na corrida perigosa para modelos de caixa-preta cada vez maiores e imprevisíveis com capacidades emergentes. Os desenvolvedores de IA devem trabalhar com os formuladores de políticas para acelerar drasticamente o desenvolvimento de sistemas robustos de governança de IA”. Para o grupo, é preciso incluir, no mínimo:

  • autoridades reguladoras novas e capazes dedicadas à IA;
  • supervisão e rastreamento de sistemas de IA altamente capazes e grandes conjuntos de capacidade computacional;
  • sistemas de proveniência e marca d’água para ajudar a distinguir o real do sintético e rastrear vazamentos de modelos;
  • um ecossistema robusto de auditoria e certificação;
  • responsabilidade por danos causados pela IA; financiamento público robusto para pesquisa técnica de segurança de IA;
  • instituições com bons recursos para lidar com as dramáticas perturbações econômicas e políticas (especialmente para a democracia) que a IA causará

“Isso não significa uma pausa no desenvolvimento da IA em geral, apenas um retrocesso na corrida perigosa para modelos de caixa-preta cada vez maiores e imprevisíveis com capacidades emergentes”

Em uma defesa para que a sociedade tenha um tempo para se adaptar às mudanças que a IA vai provocar, os signatários pedem que haja mais participação de Estados e organizações para garantir um verão da inteligência artificial, em vez de conflitos e descompassos que estejam mais próximos de um inverno.

“A pesquisa e o desenvolvimento de IA devem ser reorientados para tornar os sistemas avançados e poderosos de hoje mais precisos, seguros, interpretáveis, transparentes, robustos, alinhados, confiáveis e leais”.


+ Notícias

Para Neil Patel, ChatGPT ainda está longe de substituir pessoas

Com a palavra, o idealizador do ChatGPT, direto do SXSW 2023

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]