Pesquisar
Close this search box.
/
/
Desapropriação: entre progresso urbano e direitos

Desapropriação: entre progresso urbano e direitos

Com mais de 70 mil desapropriações em andamento, proprietários e comerciantes se veem desamparados por uma lei de 1941

Quando o assunto é desapropriação, sempre pensamos no dono do imóvel desapropriado que, exigindo seus direitos, aciona um escritório especializado e luta por receber o valor que julga correto pela retirada do seu patrimônio.

Mas e se estivermos falando de um imóvel que esta locado para um comércio?

Imaginemos o seguinte cenário: O comerciante tem suas instalações, no mesmo ponto, há mais de 10 anos. Presta serviços de grande relevância a comunidade local, tanto na área esportiva como na área de recuperação física. Uma academia de porte que atende a indivíduos de 05 a 80 anos de idade, com acompanhamento especial para os idosos. Possui mais de 1.300,00 alunos, empregando 62 pessoas na prestação de serviços, valendo dizer que os respectivos familiares dependem desta renda mensal para auxiliá-los a subsistir.

Em determinado momento, o proprietário, que é o locador, comunica ao locatário que o imóvel deverá ser desocupado, pois está sendo desapropriado.

Nesta hora, inúmeros questionamentos surgem: Mas e o meu contrato de locação que reza que eu ainda tenho ?x? tempo antes do término ou direito a renovação do contrato?

Eis aí a primeira, aos olhos da população, injustiça: quando ocorre uma desapropriação e existe ?Fundo de Comercio?, que é o caso citado acima, o contrato de locação se ?resolve?, ou seja, ele deixa de ter efeito, perdendo o seu valor.

Já aos olhos da lei e com base no Decreto 3.365/41 que dispõe sobre a desapropriação por utilidade pública sequer existe disposição sobre o Fundo de Comércio, que se traduz em construção da jurisprudência, isto é, de decisões dos Tribunais que reconhecem o direito a este tipo de indenização. O próprio proprietário do imóvel só pode discutir o preço na desapropriação, não há como ?recusá-la?, o Poder Público poderá ingressar no bem assim que depositar a oferta ou a quantia estipulada pelo juiz através de um perito independente da concordância ou não do expropriado e do locatário.

Dando continuidade ao relato do desespero de um comerciante que vê o imóvel que alugou sendo desapropriado, vale ressaltar que, em alguns casos, esse locatário só fica sabendo que o imóvel foi desapropriado quando nada mais pode ser feito, já houve todo um investimento no negócio que precisa de tempo para retornar.

Em todo caso, o comerciante também tem direito a ser ressarcido assim como o proprietário do imóvel desapropriado o é. Mas que fique claro, se a lei já não beneficia o proprietário, muito menos o locatário.

Para que o locatário tenha direito inconteste a entrar com um processo para receber o Fundo de Comercio, a primeira providência a ser tomada é: Estar com o contrato de locação vigente e por escrito, ou seja, se o prazo já terminou e não foi feita nova renovação por escrito o seu direito ao Fundo de Comércio com certeza será contestado e poderá ser perdido.

Complementando a lista de providências do locatário que sai em busca do direito a receber o Fundo de Comercio, ele precisa se manter em dia com os aluguéis e estar com a contabilidade em ordem.

São famosos os casos de Fundo de Comércio em São Paulo, um deles, é o do Hotel Ibéria que resistiu anos e ficou isolado, na região da Cracolândia, enquanto buscava tratamento igual ao do proprietário do imóvel na justiça.

Na época, o locatário possuía dois imóveis alugados e mais dois de sua propriedade, todos localizados na mesma quadra próximos à estação da Luz. Esta desapropriação aconteceu a pedido da Prefeitura de São Paulo e, para um dos casos de Fundo de Comercio, o locatário conseguiu receber antes de sair do imóvel.

Outro caso de relevância é do Café Raiz, não só um café ?gourmet? por assim dizer mas um restaurante com ambiente requintado e pratos sofisticados, no bairro nobre de Perdizes, próximo a PUC/SP, com clientela abonada e fiel. A família de Beatriz Cintra, proprietária do negócio, é antiga na região e anteriormente seus familiares exploraram o ramo de padaria no bem. Em 2009, após ter investido mais de 3 milhões de reais nas novas instalações e equipamentos iniciou o novo negócio que está sendo agora desapropriado pelo Metro (obras da linha 6). Beatriz entrou com o processo pelo Fundo de Comércio e conseguiu adiar a imissão na posse até que avaliadas estas instalações e equipamentos mas vive uma situação de absoluta incerteza e insegurança eis que já se iniciaram as obras do entorno e assim não há como prever até quando resistirá no local.

Outro caso é o do Sr. Victorio. Até o ano de 2011, ele era o proprietário do Buffet Grécia Antiga, referencia em elegância e requinte na região do Itaim Bibi para festas de casamento, debutantes dentre outras. O Buffet estava em um imóvel alugado e, no mesmo ano, teve iniciado o processo de desapropriação pelo Metro para expansão da linha 5 Lilás.
 
O Buffet, que existia desde 1983, funcionou por mais de 25 anos no mesmo imóvel, que foi ampliado e totalmente modificado para atender as necessidades especificas do locatário. O Sr. Victorio não tem idéia do quanto investiu desde o inicio das atividades, mas atualmente briga na justiça por uma indenização de quase R$ 3 milhões de reais.

Devido a dificuldade de adquirir, ou reinvestir, no mesmo negócio já que ainda não recebeu, na integra, a indenização que tem direito, o Sr. Victorio trabalha atualmente como taxista pelas ruas de São Paulo, única saída que teve com a pequena parte que recebeu da indenização.
Mas fica a pergunta, como agir nos casos de desapropriação em que existe Fundo de Comércio explorado pelo locatário? O Dr. Fabio Lousada Gouvêa, do escritório Gouvêa Advogados, ressalta que o principal é contar com assessoria jurídica especializada e agir rapidamente já que o assunto requer uma consultoria direcionada e o locatário precisa entrar com uma ação a parte contra o Poder Público.

O valor que é atribuído ao imóvel pelo perito na desapropriação não ocorre da mesma forma quando o assunto é Fundo de Comercio, no caso de desapropriação é nomeado engenheiro ou até mesmo arquiteto, no caso de Fundo de Comércio quem atua é um perito contábil. Aliás, a forma de calcular o valor a ser indenizado em se tratando de desapropriação de imóvel e Fundo de Comércio, é o que gera mais divergência entre órgãos expropriantes e expropriado, pois existem varias metodologias de cálculo, todavia, o importante é que se chegue ao valor de mercado tanto do imóvel quanto do negócio ali instalado.

Um caso recente é o do Rodoanel Norte. Mais de 4.000 imóveis serão desapropriados, incluindo 2.000 famílias que moram em áreas ocupadas nas últimas décadas na periferia da zona norte, como o Jardim Peri, Jardim Paraná, Jardim Corisoc e Parada de Taipas. Entre estes imóveis vários são comerciais.
Mais uma vez, o Dr. Fabio adverte da necessidade de se procurar assistência jurídica especializada, pois a desapropriação tem procedimento próprio que se diferencia do processo comum, a pessoa pode ter que sair do imóvel antes de ser citada, eis que já depositada ou complementada a oferta, ou seja, o processo ?anda? independente da citação e intervenção do expropriado e do locatário. O ideal é que assim que souber da desapropriação o interessado já busque orientação especifica a fim de não ser surpreendido futuramente.

Para que o locatário tenha direito inconteste a entrar com um processo para receber o Fundo de Comercio, a primeira providência a ser tomada é: Estar com o contrato de locação vigente e por escrito, ou seja, se o prazo já terminou e não foi feita nova renovação por escrito o seu direito ao Fundo de Comércio com certeza será contestado e poderá ser perdido.
Complementando a lista de providências do locatário que sai em busca do direito a receber o Fundo de Comercio, ele precisa se manter em dia com os aluguéis e estar com a contabilidade em ordem.

São famosos os casos de Fundo de Comércio em São Paulo, um deles, é o do Hotel Ibéria que resistiu anos e ficou isolado, na região da Cracolândia, enquanto buscava tratamento igual ao do proprietário do imóvel na justiça.

Na época, o locatário possuía dois imóveis alugados e mais dois de sua propriedade, todos localizados na mesma quadra próximos à estação da Luz. Esta desapropriação aconteceu a pedido da Prefeitura de São Paulo e, para um dos casos de Fundo de Comercio, o locatário conseguiu receber antes de sair do imóvel.

Outro caso de relevância é do Café Raiz, não só um café ?gourmet? por assim dizer mas um restaurante com ambiente requintado e pratos sofisticados, no bairro nobre de Perdizes, próximo à PUC/SP, com clientela abonada e fiel. A família de Beatriz Cintra, proprietária do negócio, é antiga na região e anteriormente seus familiares exploraram o ramo de padaria no bem. Em 2009, após ter investido mais de 3 milhões de reais nas novas instalações e equipamentos iniciou o novo negócio que está sendo agora desapropriado pelo Metro (obras da linha 6). Beatriz entrou com o processo pelo Fundo de Comércio e conseguiu adiar a imissão na posse até que avaliadas estas instalações e equipamentos mas vive uma situação de absoluta incerteza e insegurança eis que já se iniciaram as obras do entorno e assim não há como prever até quando resistirá no local.

Um dos casos é do Sr. Victorio. Até o ano de 2011, ele era o proprietário do Buffet Grécia Antiga, referencia em elegância e requinte na região do Itaim Bibi para festas de casamento, debutantes dentre outras. O Buffet estava em um imóvel alugado e, no mesmo ano, teve iniciado o processo de desapropriação pelo Metro para expansão da linha 5 Lilás.
 
O Buffet, que existia desde 1983, funcionou por mais de 25 anos no mesmo imóvel, que foi ampliado e totalmente modificado para atender as necessidades especificas do locatário. O Sr. Victorio não tem idéia do quanto investiu desde o inicio das atividades, mas atualmente briga na justiça por uma indenização de quase R$ 3 milhões de reais.

Devido a dificuldade de adquirir, ou reinvestir, no mesmo negócio já que ainda não recebeu, na integra, a indenização que tem direito, o Sr. Victorio trabalha atualmente como taxista pelas ruas de São Paulo, única saída que teve com a pequena parte que recebeu da indenização.
Mas fica a pergunta, como agir nos casos de desapropriação em que existe Fundo de Comércio explorado pelo locatário? O Dr. Fabio Lousada Gouvêa, do escritório Gouvêa Advogados, ressalta que o principal é contar com assessoria jurídica especializada e agir rapidamente já que o assunto requer uma consultoria direcionada e o locatário precisa entrar com uma ação a parte contra o Poder Público.

O valor que é atribuído ao imóvel pelo perito na desapropriação não ocorre da mesma forma quando o assunto é Fundo de Comercio, no caso de desapropriação é nomeado engenheiro ou até mesmo arquiteto, no caso de Fundo de Comércio quem atua é um perito contábil. Aliás, a forma de calcular o valor a ser indenizado em se tratando de desapropriação de imóvel e Fundo de Comércio, é o que gera mais divergência entre órgãos expropriantes e expropriado, pois existem varias metodologias de cálculo, todavia, o importante é que se chegue ao valor de mercado tanto do imóvel quanto do negócio ali instalado.

Um caso recente é o do Rodoanel Norte. Mais de 4.000 imóveis serão desapropriados, incluindo 2.000 famílias que moram em áreas ocupadas nas últimas décadas na periferia da zona norte, como o Jardim Peri, Jardim Paraná, Jardim Corisoc e Parada de Taipas. Entre estes imóveis vários são comerciais.

Mais uma vez, o Dr. Fabio adverte sobre a necessidade de se procurar assistência jurídica especializada, pois a desapropriação tem procedimento próprio que se diferencia do processo comum, a pessoa pode ter que sair do imóvel antes de ser citada, eis que já depositada ou complementada a oferta, ou seja, o processo ?anda? independente da citação e intervenção do expropriado e do locatário. O ideal é que assim que souber da desapropriação o interessado já busque orientação especifica a fim de não ser surpreendido futuramente.

 

Leia mais:

Consumidor não é obrigado a pagar corretor de imóveis

Tudo sobre o aluguel de imóveis: negocie com segurança

Atrasos na entrega de imóveis podem gerar indenização aos consumidores

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]