Pesquisar
Close this search box.
/
/
Customer Convenience: jornadas e pontos de pressão

Customer Convenience: jornadas e pontos de pressão

O que significa precisamente prover uma boa CX para o consumidor? Para Marco Lupi, o centro dessa discussão se baseia em uma palavra-chave: conveniência

Já não resta mais dúvidas de que não há como não pensar em relacionamento com o cliente sem pensar em Customer Experience (CX). Uma empresa que não está pensando em como prover experiências memoráveis para o seu cliente simplesmente não está competindo no mercado atualmente.

É porque compensa. Segundo um levantamento da Forbes com a Arm Treasure Data, 78% dos consumidores são mais propensos a comprarem baseado unicamente na sua experiência com a marca. Isso se traduz em comentários que nós por vezes escutamos das pessoas: na loja X um produto pode até ser mais caro — “Mas o serviço lá é tão bom que compensa pagar mais.” (E, de fato, uma outra pesquisa, da PwC, indica exatamente isso: 86% dos consumidores se dispõem a pagar mais em vista de uma boa CX.)

Mas o que significa precisamente prover uma boa CX para o consumidor? Para mim, o centro dessa discussão se baseia em uma palavra-chave: conveniência.

Não há CX sem pensar em tornar a experiência do cliente em lidar com a sua marca algo conveniente — quase intuitivo — e como o caminho, isto é, a jornada do cliente dentro da sua organização, deve ser inteiramente baseada em diminuir atritos e resolver pontos de pressão, de dor. Os pain points.

Tudo é uma questão de facilidade

Como você definiria “conveniência”? Esse é um termo que dentro do mercado é um pouquinho diferente do seu significado comum.

Como diz o autor Nir Eyal: “Para haver ação, o fazer deve ser mais fácil do que o pensar […]. Quanto mais esforço — físico ou mental — se é exigido para que uma ação seja tomada, menos provavelmente ela acontecerá.”

Portanto, estamos falando de gerar facilidade, fazer as coisas acontecerem de forma quase instintiva ou no máximo intuitiva.

A questão é que para pensar em maneiras de transformar as atitudes necessárias que seu cliente tome, você precisa pensar como ele. Que tipo de cenário incentivaria você, como cliente, a tomar uma atitude, a comprar um produto na sua loja? Que tipo de situação você pode criar para que alguém contrate você para realizar um serviço para essa pessoa? Como você pode inspirar alguém a ser um promotor da sua marca?

É preciso pensar como cliente. E essa é toda a mágica por trás do que se chama hoje de customer-centrism, conceito do qual a Amazon talvez seja o exemplo mais notório (lá chamam de customer obsession). O que é que eu, como cliente, desejaria que esta organização tivesse para facilitar minha vida e minhas escolhas?

É só pensar na jornada do cliente?

Todo relacionamento entre marca e cliente é um processo — um processo que muitas vezes possui muitas etapas.
Apesar da popularização do conceito de Customer Experience, a prática das empresas sobre o conceito pode ser mais pragmática, mais direta. Na minha opinião, CX é algo de ordem prática — portanto, algo, ao mesmo tempo, pragmático e individualizado.

Por exemplo, se estruturar para trabalhar para a realidade da “jornada do cliente” como se fosse um passo a passo, em que necessariamente o cliente irá fazer a próxima escolha, e continuar lidando com a sua marca, será que o certo?

Existem gatilhos internos e externos — e esses gatilhos podem desviar a atenção do cliente. Além disso, é preciso pensar nos pontos críticos ou pontos de fricção, que não necessariamente fazem parte da jornada mapeada no papel.

Por exemplo: você pode ter desenhado toda a sua jornada do cliente de maneira muito precisa — mas se, digamos, a bandeira do cartão do cliente falhar na hora de pagar, a venda desmorona. (E é por isso que aumentam as fintechs?)

Ou, outro exemplo, você desenha uma super jornada, mas, por qualquer problema, o cliente se vê obrigado a entrar quatro vezes em contato com a sua empresa (digamos, uma vez com a URA, uma vez com o bot de atendimento e mais duas vezes com um operador no telefone). Só aí então o problema é resolvido. Isso é uma boa CX? A super jornada conseguiu prover uma experiência conveniente?

Por isso eu acredito que, curiosamente, este é um caso em que a inovação vem da tradição. Ter uma organização da CX dentro das organizações que consiga combinar uma contínua atividade de mapeamento e melhoria das jornadas com obsessão de resolver problemas, dores, pontos de fricção deve ser algo independente de qualquer “jornada” já mapeada. Isso deve ser feito em tempo real.

É exatamente isso que fazemos na AlterEgo, minha empresa de consultoria para Customer Experience. No nosso caso, nós atuamos provendo apoio para as empresas serem realistas de forma a gerar conveniência para os seus clientes. Atuamos de uma forma pragmática seja no mapeamento, no desenho e na manutenção de jornada que na resolução dos pontos de fricção para o cliente e dos pontos críticos para a empresa.

Cremos que esta é a melhor estratégia. O que nós percebemos é que na maioria das vezes, atacar as dores trazem quick wins de experiência e custo — o que então permite ações mais estruturadas e demoradas para o desenho da jornada.

O que não pode ser feito é abstrair algo tão concreto como a CX. Customer Experience é um ativo real de uma empresa — e portanto, o desafio é pragmatizá-la para a tornar o mais eficaz possível.

*Marco Lupi é fundador e Managing Director da AlterEgo Business – Consultoria em CX.


+ Notícias

Orquestração de audiências: como usar a tecnologia a favor da sua empresa

A importância do feedback e NPS na experiência do cliente

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]