Pesquisar
Close this search box.
/
/
Efeito “perrengue chique”: o que as cidades estão fazendo para conter excesso de turistas

Efeito “perrengue chique”: o que as cidades estão fazendo para conter excesso de turistas

Aumento do número de viajantes em destinos populares prejudica a experiência do visitante e reduz a qualidade de vida dos moradores. Mas e agora?

Um dos perfis mais divertidos do Instagram nos últimos meses é o @Perrengue_Chique, que mostra turistas mundo afora em situações não muito favoráveis. Atrações lotadas, filas quilométricas para museus e falta de infraestrutura para os viajantes são alguns dos temas que aparecem nos posts. Mas, por trás dos memes, o perfil é um exemplo de como o “overtourism”, ou “turismo excessivo”, em tradução literal, tem sido prejudicial para muitos países e cidades, que agora buscam soluções para grande volume de pessoas em suas atrações.

Segundo a Organização Mundial do Turismo, em 2018 foram registrados 1,4 bilhão de chegadas internacionais de turistas no mundo todo, um aumento de 6% em relação ao ano anterior. Para efeito de comparação, no ano 2000, o volume de chegadas de turistas foi de 680 milhões.

EM 2018 FORAM REGISTRADOS 1,4 BILHÃO DE TURISTAS NO MUNDO TODO

São vários os fatores que levaram algumas cidades ao limite. Do ponto de vista econômico, nunca foi tão barato viajar. As passagens aéreas se popularizaram com as empresas low-cost e a oferta de hospedagem aumentou exponencialmente com a chegada de sites como Airbnb.

Do ponto de vista geográfico, o mundo está mais conectado e as fronteiras cada vez mais abertas, facilitando o trânsito de pessoas entre cidades e países.

Do ponto de vista social, a superexposição de alguns destinos na mídia e nas redes sociais, especialmente no Instagram, geraram um aumento de demanda para atrações que antigamente não tinham tanta procura. É o caso de Dubrovnik, na Croácia, que se tornou um destino altamente procurado após ser usado como locação para a cidade de Porto Real na série Game of Thrones.

turistas

Os problemas do turismo em excesso

O efeito mais óbvio do excesso de turistas em uma atração ou cidade é a queda na qualidade da experiência do viajante. Os hotéis ficam mais caros, os restaurantes mais cheios e a disputa por um lugar para tirar foto mais acirrada.

Mas o turismo em excesso também é um problema para os moradores locais da cidade, que sofrem com o aumento da demanda para transporte público e da inflação para itens básicos, como aluguel, comida e entretenimento, por exemplo.

O turismo excessivo também tem um impacto ambiental. Há mais produção de resíduos e maior consumo de água e energia. Quando o destino envolve a natureza, como praias ou parques, o excesso de gente pode danificar biomas e ecossistemas delicados.

É o caso da ilha de Maya Bay, na Tailândia. A paradisíaca ilha que aparece no filme A Praia, com Leonardo DiCaprio, foi fechada para visitação em 2018 e só deve ser reaberta após a recuperação de seu ecossistema, que foi danificado pelo excesso de turistas nos últimos anos. De acordo com a CNN, a ilha só poderá receber visitas novamente a partir de 2021.

O que as cidades e países estão fazendo para diminuir os efeitos do turismo em excesso?

Alguns destinos populares que vêm sofrendo com o turismo em excesso estão tomando medidas para evitar que a vida dos locais seja ainda mais prejudicada e para conseguir acomodar os turistas com conforto.

Veja abaixo alguns bons exemplos de como as cidades estão se mobilizando para combater o “overtourism”:

Limites de hospedagem em Amsterdã

turistas

Amsterdã sempre foi um destino popular na Europa, mas recentemente o volume de turistas em certas áreas da cidade começou a causar transtornos para a população. Segundo a CNN, é esperado que o número de turistas salte de 18 milhões em 2018 para 42 milhões em 2030, ou mais de 50 vezes a população atual.

Para tentar desde já evitar um colapso na cidade, a prefeitura tomou várias medidas para conter o fluxo de turistas, dentre elas a limitação de aluguel de quartos e casas pelo Airbnb e sites parecidos.

Desde o começo do ano, proprietários que alugam seus apartamentos por curtos períodos de tempo têm um limite de 30 dias de aluguel. Além de diminuir a oferta de hospedagem, o limite visa também evitar uma escalada de preços de aluguel a longo prazo.

A prefeitura de Amsterdã também passou a incentivar a visita a destinos periféricos, criando atrações em regiões menos exploradas da cidade, e proibiu a abertura de novas lojas turísticas no centro.

Numa medida mais radical, autoridades de turismo da Holanda decidiram parar de divulgar externamente o país como um destino turístico.

Segundo relatório Perspective 2030, o foco agora será em “gerenciamento de destino” em vez de “promoção de destino”. O documento também reconhece que a qualidade de vida em Amsterdã será severamente afetada pela “sobrecarga de visitantes” se não forem tomadas medidas para conter o fluxo de pessoas. De acordo com o documento, “o turismo deve sempre servir ao interesse compartilhado de moradores, visitantes e empresas”.

Cruzeiros barrados em Santorini

turistas

Os mega navios de cruzeiro, com capacidade para mais de 3 mil passageiros, são um dos grandes vilões do turismo excessivo. Eles aportam em pequenas cidades, que muitas vezes não têm a infraestrutura para receber tanta gente ao mesmo tempo, e vão embora no mesmo dia. Com isso, os mercados hoteleiros e de restaurantes do local pouco se beneficiam.

Santorini é uma dessas pequenas ilhas gregas, com uma população de 13 mil pessoas, que chegou a receber mais de 10 mil turistas por dia na alta temporada.

Para conter o alto volume de turistas, o governo instaurou, em 2017, um limite para o número de navios que aportam na cidade diariamente, além de restringir a entrada de turistas para até 8 mil pessoas por dia.

“A rede elétrica e o suprimento de água estão no seu limite. O lixo dobrou em cinco anos. Se não controlarmos as multidões, o turismo nos arruinará”, disse o prefeito de Santorini, Nikos Zorzos, ao The Washington Post.

Ingressos limitados em Machu Picchu

turistas

Machu Picchu, no Peru, sempre foi um destino importante na América Latina. Nos últimos anos, no entanto, o número de turistas no local chegou a 1,4 milhão por ano e até 2017 era possível caminhar por todo o sítio arqueológico sem supervisão, o que estava deteriorando as trilhas e ruínas.

Para evitar novos danos, o governo peruano passou a limitar os turistas a duas entradas programadas por dia. Além disso, os grupos devem ser conduzidos por guias aprovados e trilhas específicas nas ruínas foram estabelecidas para proteger o sítio arqueológico.

No Butão, menos é mais

turistas

O Butão fica aos pés do Himalaia e é próximo de países que são muito visitados por mochileiros, como Índia e Tailândia. Mas, no lugar de se aproveitar dessa proximidade para atrair hordas de mochileiros, o Butão preza por ser um destino turístico de “alto valor e baixo impacto”.

Para ter autorização para visitar o país, é necessário garantir um gasto diário de US$ 250 por pessoa, que pode ser com hospedagem, refeições ou passeios. Esse valor é muito acima do que é gasto normalmente por mochileiros ou por turistas mais econômicos. Com essa medida, o Butão faz com que menos pessoas visitem o país, mas invistam mais na economia local.

Além de estipular um gasto mínimo diário para os turistas, o governo do Butão apenas concede o visto de turista para aqueles que contratam um pacote de viagem com uma agência de turismo credenciada pelo governo.

“Por causa do turismo de alto valor e baixo impacto, somos capazes de receber turistas de uma maneira que contribua para o desenvolvimento socioeconômico da nação. Ao mesmo tempo, conseguimos preservar nossos ativos culturais e naturais”, explica Damcho Rinzin, do Conselho de Turismo do Butão, em entrevista à Condé Nast Traveler.


+ TURISMO

Os destinos de viagem que devem ser tendência em 2020
Consumidor pode remarcar viagem para praia atingida por óleo, diz Procon SP
Férias: saiba como funciona o seguro viagem
Pesquisa mapeia tendências de viagem e turismo de cada geração

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]