Pesquisar
Close this search box.
/
/
As reviravoltas na sorte da Atari

As reviravoltas na sorte da Atari

Há mais semelhanças entre os Beatles e a Atari do que pode julgar a vã filosofia. Duvida?

Era uma tarde fria de 30 de janeiro de 1969. No alto do antigo prédio da gravadora Apple, quatro rapazes saídos de Liverpool, outrora alegres e vibrantes, afinam os seus instrumentos quase em silêncio. Uma entreolhada seca e logo surgem os primeiros acordes da canção Get Back. Lá embaixo, britânicos incrédulos ouvem a música e se aglomeram em frente ao edifício localizado no número 3 da Saville Row street. E deliraram. Naquele dia, os ricos e endeusados músicos dos Beatles fizeram o último show e colocariam um fim a uma das mais brilhantes carreiras de uma banda de rock da história. Era o fim digno. No topo. Literalmente.

Em outro lugar do planeta, uma empresa norte-americana iniciava sua trajetória ascendente e que mais tarde se transformaria em um dos grandes ícones da cultura pop – possivelmente, tão emblemático quanto os próprios Beatles. Exagero esquizofrênico? Não para fãs de tecnologia que viram florescer o fenômeno da Atari, a primeira indústria de sucesso no universo do videogame.

A história da Atari é pródiga na criação de teorias conspiratórias que expliquem a ascensão no gosto popular. Como já foi dito, ela não foi a primeira indústria de sucesso no universo dos videogames. Ela, inclusive, foi acusada de plágio pela empresa Magnavox, uma de suas concorrentes.

Há quem diga que o sucesso da empresa está relacionado a algo que o norte-americano aprendeu a criar e cultivar como poucos ao redor do mundo: a criação de um ícone ou o endeusamento do fundador de uma determinada empresa. E a Atari tem um dos maiores nomes no universo dos videogames: o engenheiro eletrônico, Nolan Bushnell.

 

Mão de sorte

Bushnell conheceu bem as variações da sorte que assombram ou são vitais para um jogador profissional. Esse aquariano de família mórmon foi o menos ortodoxo dos seguidores da Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e por um motivo bem simples: o pôquer.

Os jovens do tempo dele (e mesmo os de hoje) sonham com a fama repentina no carteado e, de preferência, em um palco como Las Vegas. Bushnell não apenas sonhou com a vida no pôquer, mas investiu nela. E ao investir nela, cometeu uma daquelas besteiras típicas de adolescentes sonhadores. Na obra The Ultimate History of Videogames, o jornalista Steve Kent conta que Bushnell gastou o dinheiro da matrícula da Universidade de Utah na inscrição de um campeonato de pôquer. A mão no pôquer não foi boa e, claro, ele não levou a bolada.

O mundo do jogo ensinara a Bushnell a primeira grande lição de sua vida: a banca sempre vence. Sem dinheiro, procurou emprego aqui e ali e, por ironia do destino, encontrou um em um fliperama. O resto é história. Foi ali que juntou dinheiro e ingressou no curso superior. A experiência adquirida no trabalho associado à faculdade fez desenvolver jogos como Pong, uma revolução em diversão eletrônica.

O crescimento da empresa foi mais rápido que os créditos que se esvaiam no decorrer de um jogo eletrônico. No início dos anos 1970, a fama já era grande, o que atraiu milhares de jovens talentosos do Vale do Silício a trabalhar na Atari. Um desses empregados foi o jovem Steve Jobs, que logo cedo mostrou a fama de marrento que ganharia fama ao redor do mundo. Mas, dentro da empresa, Bushnell apostava alto no jovem programador e admirava o trabalho de Jobs.

Na década de 1970, a empresa virou suas atenções para o mercado de consoles caseiros. E foi em 1977 que lançou o seu maior sucesso: Atari 2.600, um marco na história do videogame. Com a plataforma vieram jogos como Riverraid, Pitfall e o Pac Man. Esse último, aliás, é uma criação da japonesa Namco e foi um dos maiores sucessos desse console. O personagem ganhou gerações e chegou revigorado ao nosso tempo com diversas versões. Hoje, é apontado pela Guiness Book como o sexto personagem da história dos games e bem a frente de personagens importantes como a princesa e o Yoshi, ambos do Super Mario.

Veja o comercial da Atari com Pelé e Abdul Jabar e Mário Andretti:

 

Nada parecia mesmo derrubar a empresa. As vendas iam bem e as apostas até o fim dos anos 1970 eram cada vez mais certeiras. Até o Rei Pelé participou de um dos comerciais da empresa. Surge, então, o grande desafio da empresa até aquele momento, a maior aposta de Bushnell. A Atari e a Universal firmaram uma parceria para a produção de um jogo para o filme ?ET, o extraterrestre?. A ideia era genial, pois era uma inédita parceria entre videogames e cinematografia.

Bushnell determinou que o veterano em games, Howard Scott Warshaw desenvolvesse o mais rápido possível uma versão do filme. As equipes passaram noites em claro no desenvolvimento do jogo e o produto chegou às lojas em menos dois meses. Sucesso? Muito pelo contrário.

A sorte se virou contra o fundador da Atari e o produto foi o maior fracasso da indústria de videogames. Diversos problemas de programação e de acabamento foram encontrados no jogo, que encalhou na prateleira e foi devolvido à empresa. A imprensa criticou o trabalho feito com ET e sobrou até mesmo para todo o setor de videogames. Em 1983, houve o chamado ?crash? dos games, evento que praticamente dizimou o videogame do mercado americano. O culpado de tudo isso? O ET do Atari.

O jogo voltou para a empresa e sumiu do estoque da empresa. Perguntada, a empresa se negou a falar sobre o sumiço do jogo, o que alimentou inúmeras teorias conspiratórias. A mais curiosa é aquela que falava na abdução dos milhares de jogos do ET. Somente em 2013 o mistério foi desfeito: mais de 1,3 mil cartuchos foram encontrados em um antigo aterro sanitário em Alamogordo, no estado do Novo México. A descoberta ocorreu em consequência do desdobramento de um documentário ?Atari: Game Over?, a ser lançado.

A Atari não morreu exatamente naquele momento. No ano passado, a empresa entrou com pedido de falência. Alguns falam em uma estratégia da empresa para pulverizar o acionista francês. Fãs defendem a volta da Atari, o que deve acontecer muito em breve no segmento de jogos para celulares e tablets. Enquanto isso, Bushnell viaja pelo mundo contando todas essas histórias e à espera de uma nova mão da sorte desse jogador nato. E quem sabe o fundador da Atari possa dar um fim mais digno a esse ícone dos videogames.

Trailer do documentário ?Atari: Game Over?:

 

*Acompanhe a série especial e seus desdobramentos no Facebook, Twitter e Instagram sob a hashtag #Gamification

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]