Premium acessível é aposta tech para classe média na inflação

A inflação apertou os cintos de consumidores por todo o mundo. Entre a Pandemia e a Guerra da Ucrânia, houve grande variação de preços e mudança no consumo.

No Brasil, vimos principalmente a classe média voltar-se para a compra de itens de necessidade e abandonar pequenos luxos e compras maiores.

A classe de produtos tech foi uma das que mais viu diferença no modo de vender.

A classe média do Brasil vive uma relação complicada com a tecnologia. Mais de metade dessa parcela não tem smartphone, conforme pesquisa do Google

Mesmo assim, a Classe C corresponde a 36% dos acessos à internet no Brasil. São 48,3 milhões de pessoas – número similar às Classes A e B.

Ou seja: existe a demanda de consumo de internet pela Classe C brasileira. Porém, é considerável indagar como é feita a oferta.

Por isso, a solução do mercado foi criar a ideia do “premium acessível"

Felipe Mendes, Managing Directior LATAM da GfK, define a prática como “Produtos de alta tecnologia com preços competitivos e um ou dois graus abaixo dos modelos ‘high premium’’

Confira mais do assunto na reportagem do Portal Consumidor Moderno