/
/
/
/
/
A importância da experiência phygital no pós-pandemia

A importância da experiência phygital no pós-pandemia

Painel do Conarec 2021 traz grandes nomes no dia de abertura para discutir a experiência do cliente na nova era híbrida

Em um momento no qual os olhos estão voltados à centralidade no cliente, notou-se um grande espaço para definir como conduzir a experiência do consumidor na era híbrida — ou phygital, uma mistura entre o físico e o digital. É um fato: o cliente de hoje já realiza sua jornada em ambos os ambientes e demanda que essa opção seja contemplada pelas empresas.

Mas como tornar todo o processo efetivamente híbrido? Esse foi o tema do painel “O consumidor agora é phygital. E a sua empresa?”, do Conarec 2021, que contou com a presença de Marcio Araujo, CEO do Konecta Brasil; Patrícia Fumagalli, VP de Transformação Digital da Ânima Educação; Jefferson Amendolara, CEO & Co-funder da Hybri; Luiz Gustavo Souto, CSO do Banco Carrefour; Alessandro Cogliatti, diretor de Experiência do Cliente da SulAmérica Saúde e Ricardo Pastore, coordenador e professor do Núcleo de Varejo da ESPM, que mediou o debate.

“O que aprendemos é que tudo acontece na prática e depois na teoria, na verdade. Temos um laboratório riquíssimo de experiência nesse painel. Aprendemos muito com os nossos erros e a pandemia evidenciou isso. Estamos apenas começando as mudanças”, explica Pastore.

O phygital por necessidade e não por princípio

A convergência dos dois mundos é o que culmina em boa parte das vivências de hoje. Para Fumagalli, essa vivência claramente começa nos jovens, mas segue se espalhando entre todos. “Esse novo mundo já é junto, é difícil separar ambas as coisas e se é assim na vida, precisa ser também na educação. O que notamos foi que o aluno já conhecia a plataforma digital, estavam lá, mas os professores não. A grande aprendizagem foi fazer esse importante trabalho com o professor, fazê-lo descobrir o que funciona no online que pode ser até mais interessante que o presencial”, explica.

Essa confluência também foi sentida em processos do dia a dia. No caso dos bancos, mesmo com a ascensão das fintechs, foi necessário trazer uma experiência híbrida ao cliente — até mesmo para garantir uma maior segurança. “Um case de sucesso foi com um grande banco, pois tínhamos um desafio grande: alguns produtos precisavam ser efetivados em uma loja física. Como não estragar a experiência do cliente que tem que sair do conforto do digital para o físico?”, questiona Araújo. “Criamos um orquestrador de canais onde o correntista começa no mundo digital e depois há um agendamento na loja física, mas damos tudo o que ele precisa, um atendimento personalizado e confortável, maneiras de como chegar à agência, entre outras coisas. Hoje, temos 95% de satisfação e reduzimos em 50% a perda de pessoas que largavam a jornada”, completa.

É claro que, no contexto das finanças e da escola, ainda mais com a pandemia, não é tão impossível imaginar um cenário no qual basicamente toda a jornada do cliente seja digital. Mas como ocorre nos casos em que, em algum momento, a experiência precisa ser física — e não há outra opção?

Esse é o cenário da área de saúde, tão estimada durante a pandemia. Se antes os processos eram essencialmente presenciais, a pandemia demandou um espaço digital e o que temos visto é que os clientes têm se adaptado ao modelo phygital.

“A capilaridade tornou o acesso a saúde mais fácil. Isso foi importante na covid para misturar as experiências. Por exemplo, hoje, pelo aplicativo, é possível agendar um exame na sua própria residência, o que por si só já desmaterializa tudo o que conhecemos como jornada. O phygital é fundamental para a saúde, principalmente nesse momento”, argumenta Cogliatti. “Outro exemplo é o psicólogo na tela, no olho do furacão, que aumentou muitíssimo em frequência. Tivemos uma satisfação altíssima, e terapia era uma coisa que era física. A tendência é o híbrido, mas o digital conquistou muita gente na área da saúde”.

A adoção phygital mesmo quando o físico reina

Foto: Rafael Canuto | Grupo Padrão

No momento que vivemos hoje, é quase impossível conceber um momento no qual o digital não faça parte de algum dos processos — mesmo quando eles são prioritariamente físicos. Para a Konecta, que realizava eventos presenciais corporativos, o desafio foi dobrado. “Antes da pandemia, trabalhávamos só com eventos principais e na pandemia nasceu nesse contexto phygital. Nosso objetivo é aproximar a experiência dos eventos online, mas contemplar todas as coisas. O jogo mudou totalmente, a partir do momento em que você pensa um evento presencial, precisa também pensar no físico”, explica Amendolara.

Para o caso do Carrefour, que justamente trabalhava com unidades de supermercado, trazer uma experiência digital, sem a presença do físico, foi uma tarefa basicamente impossível. “E a questão é: como atender as expectativas? Nunca enxergamos o consumidor como isolado, ele faz parte de todas as áreas, uma visão 360, e continua ser esse o desafio: atendê-lo em sua necessidade, porque ele está ávido pela jornada phygital — o que demanda que a gente entregue uma experiência que condiga com as suas necessidades”, aponta Souto.

Ele completa, inda, que foi preciso toda uma reforma durante a pandemia para colocar a teoria na prática. Mas isso só poderia vir mediante a uma transformação cultural antes da digital. “Quando começamos a mudar na pandemia, organizamos horários para pessoas do grupo de risco. Mas essas pessoas não estavam acostumadas, então era difícil demais trazê-las para o digital. Acredito que antes do digital vem o cultural, é continuar na aprendizagem”, conclui o executivo.

CEOs
Foto: Grupo Padrão / Conarec 2021

 


+ Conarec 2021

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]