/
/
/
/
/
“Desempenho semelhante à Black Friday todos os dias há meses”

“Desempenho semelhante à Black Friday todos os dias há meses”

A frase é do vice-presidente da ABComm, que falou a NOVAREJO sobre o momento de popularização do comércio eletrônico no Brasil

O comércio eletrônico vive um momento de crescimento sem precedentes. Os números mostram como a popularização do e-commerce no Brasil, tão discutida e tida como um processo lento, vem sendo acelerada. Em abril, o e-commerce viveu um boom e o crescimento deve continuar acelerado.

As vendas online cresceram 16% em 2019 na comparação com o ano anterior, segundo relatório da Webshoppers. Já em abril, em meio à pandemia, o avanço do e-commerce foi de 47% em relação a março, segundo pesquisa da ABComm em parceria com a Konduto.

Em 2019, os consumidores gastaram, em média, R$ 417 reais por pedido. No mês passado, o ticket médio chegou a R$ 492,43.

Novos clientes

Um dos números mais significativos e que justificam o boom do e-commerce é o de pessoas que compraram pela primeira vez na internet desde o início da pandemia. A ABComm identificou pouco mais de um milhão de novos clientes.

Segundo Rodrigo Bandeira, vice-presidente da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), o e-commerce está “observando desempenho semelhante à Black Friday todos os dias há meses”.

A Loja Integrada, plataforma gratuita de criação de lojas virtuais, registrou um aumento de 43% na quantidade de pessoas que fizeram compras pela internet em abril. Desse número, 51% compraram pela primeira vez.

Pessoas acima de 60 anos também entraram no ranking com 33%, evidenciando que a mudança de hábitos aconteceu até nas parcelas da população geralmente mais resistentes à adoção de ferramentas tecnológicas

Obstáculos

O crescimento do setor é exponencial, mas gera desafios. Uma das dificuldades está em atender uma demanda em ritmo de data comemorativa todos os dias, muitas vezes com a equipe reduzida e escalas de trabalho modificadas para evitar o contato entre os colaboradores.

Ainda deve ser levado em consideração o fato de que a preparação para datas importantes como Natal e Black Friday dura meses. Agora, os varejistas precisam correr para adequar suas operações e atender cada vez mais consumidores.

Confira a entrevista completa com, Rodrigo Bandeira vice-presidente da ABComm:

NOVAREJO: Como você avalia o momento atual do comércio eletrônico no Brasil?

Rodrigo Bandeira O setor está crescendo em um ritmo muito forte. Isto é resultado das pessoas seguindo as orientações da OMS e se mantendo em casa.

Inicialmente, houve recuo das vendas no começo da pandemia. Depois, uma intensa procura online pelos supermercados, depois farmácias e petshops e, a partir de então, sucessivos movimentos de procura por lazer, esportes, compra de brinquedos.

Estamos observando desempenho semelhante à Black Friday todos os dias há meses.

NV: Ainda que o momento seja bom para o e-commerce, existem dificuldades. Quais são as principais?

RB: Diria que é o mesmo desafio enfrentado por outros setores: a operação é baseada em mão de obra física e as empresas estão mais cautelosas para manter a saúde dos colaboradores.

Temos visto planos de trabalho divididos em escala, pessoas que fazem parte do grupo de risco de home office ou afastadas. E mesmo assim os varejistas precisam dar conta de um volume permanente, o que é difícil quando você pensa que as ondas de compras em datas comemorativas têm início, meio e fim, diferente do ritmo que estamos vivendo agora.

Isso gera alguns desafios relacionados a tecnologia e gestão de estoque. Na logística você tem os correios com bastante profundidade e as transportadoras com cada vez mais tecnologia, mas também dependem da mão de obra presencial.

Mas o saldo é positivo. A resposta do setor é boa. Os lojistas ajustaram seus prazos de entrega e melhoraram seus canais de comunicação.

NV: A estrutura para operação do e-commerce está sendo fortalecida?

RB: Toda a cadeia em volta sofre um impacto. Não podemos dizer que há equilíbrio nas contas só porque meu e-commerce está vendendo mais, mas tenho 300 lojas físicas fechadas.

O que vemos é um momento de ingresso forçado, de quem não tinha venda alguma e precisa estar online para faturar. Vimos 80 mil novas lojas online no Brasil.

Portanto, a saúde do setor está atrelada a um guarda-chuva maior, chamado economia. Não existe negócio que se mantenha sozinho.

NV: Como vai ser depois da pandemia? O momento atual já tem força suficiente para criar no brasileiro o hábito de comprar online?

RB: Com ingresso rápido de novos consumidores em um curto período, é de se esperar que tenham experiências futuras no e-commerce. Não podemos afirmar que esta será a nova mina de ouro, mas certamente encontraremos uma resistência enorme dos consumidores em ir a locais com muitas pessoas.

O saldo tem sido positivo. Existe todo um processo de adaptação, que no início era apenas uma expectativa futura. Você tem operações que não existiam, como a venda de carros pela internet. As concessionárias fazem isso porque não há perspectiva de novas visitas ao ambiente físico. São operações novas, que dependem de tecnologia para aprovação de crédito, transporte dos veículos etc.

É importante lembrar que as regras básicas de administração não podem ser quebradas nesse momento. Os lojistas podem viver meses de felicidade na pandemia, mas quando sairmos dessa situação podem estar quebrados. Teremos um cenário muito diferente.

NV: Qual o melhor modelo e o melhor momento para a reabertura das lojas físicas no Brasil?

RB: É difícil apontar uma data. Temos realidades muito diferentes no Brasil. Temos uma série de expectativas que podem, ou não, se configurar. Por exemplo: como vamos frequentar cinemas daqui para frente? Vamos voltar aos tempos de drive-in? E praças de alimentação em shoppings?

A questão da legislação também é importante. É importante entender que o modelo antigo já não era muito favorável à tecnologia e o e-commerce. É necessário avançar nessa parte. Não podemos criar imbróglios jurídicos que impactem o avanço do setor.

Acredito que muitas mudanças vão acontecer. Precisamos entender que não há vacina e o isolamento social é a medida que funcionou em diversos lugares do mundo para o achatamento da curva de contaminação. Quanto antes cumprirmos essa medida, mais cedo sairemos dessa situação.

Como o comércio deve reabrir no Brasil, segundo entidades varejistas
As soft skills mais valorizadas no mercado de trabalho
Aplicativos de combate à Covid-19 apresentam falhas de segurança e privacidade, diz estudo

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]