Funcionários da Amazon apagando críticas dos consumidores em troca de propina?

A afirmação está presente em uma reportagem publicada no The Wall Street Journal e envolve basicamente a operação da empresa na China

Por: - 1 mês atrás

Uma reportagem publicada esta semana nos EUA pode colocar em risco a imagem e até a credibilidade da toda poderosa Amazon. Segundo uma reportagem do The Wall Street Journal, empregados da empresa de Seattle estariam recebendo propina para deletar reviews negativos de produtos vendidos no site. Mais do que isso, essas mesmas pessoas estariam vendendo informações privilegiadas sobre o comportamento do consumidor no site, o que daria vantagem para empresas que pagam por essas informações.

A Amazon, inclusive, já teria iniciado uma investigação interna. Os primeiros indícios mostram que a prática é mais comum na operação da empresa na China, mas pode estar ocorrendo também nos Estados Unidos. No caso da China, segundo a publicação, os baixos salários pagos no país asiático estariam facilitando a prática. A abordagem dos funcionários e o pagamento em dinheiro seria feito através do aplicativo de mensagens WeChat.

Valores

A reportagem exibe ainda os valores da propina. Os empregados da empresa em Shenzen estariam deletando comentários negativos sobre produtos, oferecendo o e-mail pessoal dos autores das avaliações e restaurando contas banidas no marketplace. Tudo isso em troca de pagamentos que variam entre US$ 80 e US$ 2 mil.

A  Amazon afirma que possui regras bastante restritas e que implantou sistemas para auditar as informações que os empregados podem acessar.  A gigante prometeu ainda “tolerância zero” com vendedores envolvidos em prática de corrupção.

Com informações do The Wall Street Journal