Ampliando horizontes: há um caminho para a realidade do consumidor

As tecnologias de localização ganham cada vez mais possibilidades – com direito inclusive ao anonimato do consumidor. Entenda

Por: - 2 semanas atrás

Dentro de um prédio histórico, localizado no Marco Zero de Recife, está uma empresa de tecnologia que tem o objetivo e a iniciativa de transformar a forma como clientes e empresas se relacionam. Com uma equipe de mais de 70 engenheiros – entre os 170 funcionários da empresa –, a In Loco criou uma tecnologia de localização 30 vezes mais precisa do que o GPS.

Fundada em 2014, a empresa conta com escritórios em São Paulo e no Rio de Janeiro. Fora do Brasil, está presente no México e nos Estados Unidos. Apesar de ser jovem, a empresa já conta com grandes clientes como Magazine Luiza, Cacau Show, Hyundai entre outros.

Confira a entrevista feita com André Ferraz, CEO da In Loco.

CONSUMIDOR MODERNO – De quais formas as ferramentas de geolocalização podem impactar a experiência do cliente?

André Ferraz – De diversas formas. Mas, para responder melhor, vou voltar um pouco no tempo. Creio que a maioria das pessoas se lembra da revolução que o digital causou quando permitiu que as marcas identificassem o comportamento dos consumidores no ambiente on-line e possibilitou o crescimento do e-commerce através da personalização. Pois bem, a tecnologia de localização entrega justamente o que de mais precioso o digital entregou para as marcas: dados sobre o comportamento do consumidor só que agora no mundo físico.

CM – E quais são as principais diferenças entre conhecer o consumidor no digital e no ambiente físico?

AF – Essa diferença é fundamental porque quando falamos no ambiente digital falamos em comportamento aspiracional, e quando falamos no mundo off-line falamos no comportamento real. Um exemplo é uma pessoa que adora motos, pesquisa tudo sobre o assunto na internet, mas, por algum motivo, jamais vai comprar uma moto e continua impactada com anúncios. Se mapearmos o comportamento dessa pessoa no mundo físico, podemos mapear quais são os estabelecimentos que ela frequenta e oferecer produtos que, de fato, ela tenha interesse em adquirir.

CM – De qual forma essa tecnologia pode mudar a atuação das empresas?

AF – Toda essa dinâmica impacta – e melhora – a experiência do cliente porque as marcas passam a ter informações cada vez mais contextualizadas sobre seus consumidores. Essa gama de dados se transforma em informações e em estratégias para que a experiência seja cada vez mais particular, mais relevante e mais rica para o consumidor. Um detalhe importante de frisar é que tudo isso é possível ao se mapear o comportamento, sem acessar a identidade do consumidor. Na In Loco, privacidade é inegociável.

CM – Como a questão da privacidade é trabalhada na empresa?

AF – Com a tecnologia de localização, conseguimos mapear onde e quando os consumidores estiveram sem nunca acessar dados pessoais como nome, CPF ou e-mail e assim traçar os perfis comportamentais. Mesmo assim, hoje temos uma precisão que nos permite saber o local exato em que o consumidor está, mesmo em um ambiente indoor, como um centro comercial com shopping, escritórios e apartamentos. É possível saber se ele está trabalhando, morando, tendo momentos de lazer.

CM – Podemos considerar que o serviço de localização é focado apenas em comunicação?

AF – No caso da In Loco, podemos dizer que não. Somos uma empresa de tecnologia e de mídia. Criar soluções para problemas de comunicação entre marcas e consumidores é uma de nossas atuações (In Loco Media), mas também usamos a tecnologia de localização para aumentar o engajamento dos usuários com aplicativos (In Loco Engage), para prevenção de fraudes, além de outras frentes que estamos desenvolvendo.