Copa do Mundo tem baixo engajamento dos brasileiros

Estudo mostrou que sete em cada dez pessoas não acompanham as notícias da seleção. Quase 30% não vão ficar felizes caso o Brasil seja hexacampeão

Por: - 2 meses atrás

A Copa do Mundo já começou, mas muito se fala no baixo engajamento dos brasileiros. Poucas ruas estão pintadas, nem as bandeiras nos retrovisores dos carros resistiram e já não são moda, como na copa de 2014. Um estudo feito pela SportsMatch, startup de tecnologia sobre fãs de esportes, mostrou qual o sentimento dos brasileiros em relação à seleção de futebol.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

De acordo com a pesquisa “Engajamento do torcedor com a Seleção Brasileira”, 53% dos brasileiros se sentem orgulhosos do País por causa do time comandado por Tite. O estudo ainda descobriu que 71% dos entrevistados vão ficar alegres caso a seleção vença a Copa do Mundo pela sexta vez.

Baixo engajamento

Para o Daniel Santa Cruz, sócio fundador da Santo Caos, empresa especialista em engajamento do consumidor, a empolgação poderia ser maior. “Neste estudo, constatamos que o engajamento do brasileiro com a seleção poderia ser muito maior”, afirma Cruz. Menos de um terço da população brasileira acompanha as notícias dos jogadores que vão disputar a Copa. Segundo a pesquisa 29% se consideram quase sempre bem informados. Já 15% dos torcedores acompanha as novidades da seleção de quatro em quatro anos. Um em cada dez entrevistados disse nunca se interessas pelas notícias. A maioria dos participantes se informa pela televisão – 59%. As redes sociais vêm logo em seguida, como principal fonte de 34% dos torcedores. Já os sites esportivos são usados por 30% dos entrevistados. “Atualmente, os atletas produzem seu próprio conteúdo, muitos nas redes sociais, sendo canais importantes de disseminação, às vezes mais relevantes que os oficiais”, afirma Gustavo Verginelli, CEO da SportsMatch.

Metodologia

O estudo foi feito entre abril e maio deste ano. Foram entrevistas 1.940 pessoas em todo o território nacional, das quais 44% são homens e 56% são mulheres, com idade entre 18 e 60 anos.