O amador que se profissionaliza – ou faça você mesmo e ganhe algum dinheiro

“Preste atenção, o hobby agora pode ser sua fonte de renda, o gosto pelas compotas pode te tirar do escritório chato”

Por: - 5 meses atrás

Com a era digital, um dos fenômenos mais avassaladores no campo do trabalho está na possibilidade de novos campos de atuação profissional. Antes, estávamos presos aos determinismos das carreiras técnicas, bacharelados e prestação de serviços restrita, mas, com o poder da inventividade e ludicidade que a Internet nos proporcionou, estas carreiras passaram a ser nichadas, reinventadas, revistas e outras passaram a existir. Não é raro vermos profissionais sendo indicados em grupos de Facebook, como o Agenda Carioca, no qual se troca e se informa sobre praticamente qualquer serviço, do marceneiro tradicional ao personal chef.  Isso também ocorre no Instagram por meio da arte da fotografia que se transveste de trabalho para especificamente as mídias sociais.  Fotógrafos amadores ou profissionais agora se especializam em captar blogueiras nas ruas, como também pratos de comida que aguçam nosso paladar e nos seduzem com os olhos , o food stylist tem esse desafio. Até mesmo artistas que fazem colagens digitais e vendem suas obras numeradas em série via encomenda pelo “direct”.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

On e offline dialogando e o movimento das redes potencializa qualquer setor de forma massificada chegando a grandes proporções. Aulas são dadas em lives como a consultora de estilo Joana Montenegro (@joanamontenegro_) que discute e ensina formas variadas de saber lidar com suas roupas, cores, truques para potencializar sua melhor versão e aceitação do seu corpo.  Os tutoriais ganharam versões profissionais, tem edição, identidade visual a ponto de virar a grande chance. Promovem a orientação de como se virar quando se está infeliz no seu trabalho, desempregado ou quando a grana está curta: FAÇA VOCÊ MESMO E VENDA.

O DIY agora tem um aposto: Do it yourself and make some money

Preste atenção, o hobby agora pode ser sua fonte de renda, o gosto pelas compotas pode te tirar do escritório chato e, de repente, com o approach certo você pode virar uma web celebridade das redes sociais no campo do trabalho. É muito mais do que ser famoso, é ser notado pelas suas competências. Como usar produtos e serviços, como ser relevante para as pessoas. Dia desses eu conheci a rede social de uma dona de casa que compra produtos (para ela mesma) e faz um unboxing dos eletrodomésticos e apetrechos da casa. Usa o produto na frente das câmeras e ensina como fazer, pontos positivos e negativos, lê manuais e dá o seu veredicto. Pasme você, ela tem milhões de visualizações, não é patrocinada por qualquer marca, compra e mostra a nota (como comprovante) de tudo que apresenta para seus milhares de expectadores. Ela é confiável, me poupou de comprar um aspirador de pó modernoso, mas que na verdade não possui o desempenho que eu buscava.  Como essa youtuber da vida doméstica, dezenas de milhares de pessoas comuns estão lá se profissionalizando na sua capacidade de usar produtos, comunicar, transgredir as formas comuns de trabalho e cá estamos nós sendo influenciados pelos microinfluencers que ganham destaque por não serem produto de agências de publicidade.