Este pedaço de argila resultará na primeira escultura feita pela IA

O artista Mat Chivers falou com a Consumidor Moderno como quer aliar a IA e as impressões digitais das mãos de 1,5 mil pessoas em um projeto de arte

Por: - 3 meses atrás

A evolução da sociedade passa pelas nossas mãos. Graças a elas, construímos ferramentas, produtos e tecnologias que nos fizeram evoluir como sociedade. Os polegares opositores, claro, tiveram grande influência nisso. E é exatamente com a ajuda das nossas mãos que o artista britânica Mat Chivers quer fazer a primeira escultura de arte contemporânea da história.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Explica-se: durante o evento C2, organizado na cidade de Montreal, no Canadá, Chivers deixou uma montanha de argila à disposição dos visitantes. Lá, cada um pega dois pedaços da terra e aperta bem firme, de maneira que o modelo das mãos e as impressões digitais se mantenham presentes.

A meta é pegar 1 500 amostras diferentes até o fim do evento, que vai ser na próxima sexta-feira (27). Aí entra a inteligência artificial.

Por meio das amostras, Chivers irá treinar uma inteligência artificial criada pela empresa Element AI. O objetivo é entender como interagimos com a nossa realidade material a partir do aperto da argila.

Algo subjetivo

A escultura, que pode-se dizer resultado de uma sinergia de tecnologia e dados humanos, será esculpida em rocha. Depois de pronta, fará parte do acervo do Museu de Arte de Joliette, na região metropolitana de Montreal.

O resultado ainda é algo distante de ser imaginado, segundo Chivers. Confira a conversa que o artista teve com a reportagem da Consumidor Moderno.

Qual é o objetivo do projeto?

Uma das coisas que estou interessando é como esse tipo de movimento criou as ferramentas que temos hoje. Por 2 000 anos, muitos seres humanos criaram materiais que mudaram o conhecimento e até mesmo como desenvolveram nossos cérebros.

O que mudou de milhares de anos para cá?

Mat Chivers – Há uma diferença enorme do que fazíamos antes e agora. Nós temos a capacidade de manipular e usar esses recursos para criar tecnologia. Isso define as características da nossa espécie. O que estamos tentando fazer é tentar, de um jeito, é mostrar como a inteligência artificial “parece”. A IA é algo que está em volta da gente, mas muitos se perguntam como ela se parece. Vamos tentar trazer essa relação sensorial das nossas mãos para fazer uma máquina construir.

E como essa análise vai funcionar?

A máquina vai escanear todas as amostras e entender a forma como as pessoas seguram objetos. A partir daí vai desenvolver uma série de dados para fazer a escultura. Estou fazendo um paralelo entre o impacto da inteligência humana e o da inteligência artificial.

E qual vai ser o visual dessa escultura?

Eu não faço ideia. Aí está a beleza do projeto e da arte. Vai parecer algo com uma mão, mas com certeza vai ter bastante diferente. Esse é o risco do projeto, que o deixa bem divertido.