Mais de um terço das micros e pequenas empresas investem em tecnologia

Uma pesquisa do SPC Brasil mostra que 35% dos pequenos empresários apostam em tecnologias como inteligência artificial e pagamentos online para turbinar as vendas

Por: - 4 meses atrás

Investir em tecnologia para melhorar a eficiência e aumentar as vendas não é prioridade só de multinacional. Micros e pequenos empresários também estão de olho nas facilidades do mundo digital. É o que mostra um levantamento realizado pelo SPC Brasil e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Segundo o estudo, 35% dos pequenos empresários usam algum tipo de tecnologia para aumentar as vendas.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

As opções são das mais variadas. Cerca de 10% utilizam marketplaces, como Mercado Livre e OLX, e por volta de 9% usam tecnologias de pagamento como Paypal e PagSeguro. Outros, no entanto, partem para tecnologias mais sofisticadas.

É o caso de catálogos virtuais de informações para os clientes conhecerem os produtos, usados por 8%. O mesmo percentual de lojistas utiliza software de gestão de vendas, assim como inteligência artificial (2%), robôs de atendimento (2%) e QR Code (2%).

Mais produtividade

A pesquisa também foi atrás das opiniões dos comerciantes a respeito dos benefícios da utilização de tecnologia. Nove em cada dez são taxativos ao afirmar que aumenta a eficiência. Cerca de 60% enxerga potencial de aumento nas vendas, melhoria no atendimento (45%) e, consequentemente, um cliente mais satisfeito (42%).

E para atingir esses clientes, esses micros empresários vêm apostando em campanhas de comunicação. Quase metade (49%) deles realizam ações de comunicação para aumentar as vendas. Os canais mais procurados são as redes sociais, com 60%, mensagens em grupos de WhatsApp (40%) e anúncios em geral na internet (27%).

“As campanhas costumam gerar incrementos no faturamento, sobretudo se bem trabalhadas e direcionadas para eventos especiais como datas comemorativas, períodos de alta temporada ou quando se tem um objetivo específico como, por exemplo, uma queima de estoque”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.

Investimento recorrente

E os aportes não ocorrem necessariamente de maneira volátil. Ao contrário. Dos 555 empresários ouvidos pela pesquisa, metade afirma investir mensalmente em tecnologia. Ao mesmo tempo, no entanto, 34% afirmam investir só quando o necessário. O valor médio investido é de R$ 679,72.