Combinação: o uso de dados e de inteligência na moda

Desenvolver produtos de acordo com tendências é pouco para o setor de moda nos dias de hoje. Entenda para onde a inovação pode caminhar nessa área

Por: - 6 meses atrás

Nos dias de hoje, um produto ou um serviço de qualidade são apenas elementos básicos em uma realização de consumo. Isso significa que é indispensável investir em experiência, em todos os meios e canais – desde a loja física até o portal da empresa. Existem poucos exemplos de empresas que realmente apostam em estratégias marcantes e que conseguem garantir a execução delas, porém.

No Brasil, há um case do setor de moda que, inclusive, fez parte do SXSW 2018: a AMARO. Contamos um pouco sobre a empresa há algumas semanas e, além disso, fomos conhecer de perto uma das Guide Shops. Na visita, ouvimos um pouco sobre a estratégia da empresa, que envolve dados e métodos para transformar o desenvolvimento de produtos em um processo de inteligência que corresponde à expectativa dos clientes.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

“Todos nós somos mais do que quanto ganhamos, mais do que o lugar onde moramos”, afirma Dominique Oliver, CEO da AMARO. Diante disso, a marca tem a proposta de criar produtos que correspondem à identidade das pessoas, oferecendo moda e sendo acessível ao mesmo tempo; atuando como produtora de moda e varejista, simultaneamente.

Nesse sentido, a AMARO aposta no método mobile first: tudo o que é desenvolvido como experiência tem como prioridade o digital. Por isso, as compras são feitas on-line, contando com uma entrega veloz – que pode acontecer no mesmo dia. Além disso, a empresa usa os dados para entender até mesmo a forma como a pose das modelos influencia a atitude de compra do consumidor.

Confira imagens da loja: