L’Oréal compra empresa de inteligência artificial ModiFace

Gigante da beleza parte para a inovação digital e adquire companhia canadense especializada em realidade aumentada e inteligência artificial

Por: - 7 meses atrás

Quando se fala em L’Oréal, provavelmente vem à sua mente shampoos, condicionadores e maquiagens. Aparentemente, a empresa quer mudar um pouco essa percepção. Nesta sexta-feira (16) a empresa francesa anunciou a compra da empresa canadense ModiFace, especializada em inteligência artificial e realidade aumentada para empresas de beleza.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Em anúncio para investidores, a executiva Lubomira Rochet, diretora de tecnologia da L’Oréal, afirmou que a compra “fortalece a reinvenção da experiência dos produtos de beleza” e “que os serviços inovadores ajudam os nossos clientes a descobrir, provar e escolher nossas marcas e produtos.”

Entre os principais produtos da ModiFace estão ferramentas que simulam digitalmente a melhor maquiagem a ser feita no rosto da própria cliente, além de um aplicativo que escaneia e rastreia movimentos faciais e até características da pele. Este último foi baseado em um experimento realizado em Stanford.

A empresa já prestava serviços para concorrentes da própria L’Oréal, como a Sephora. No aplicativo, as clientes tinham recomendações de produtos a partir das características de suas peles.

A sede da ModiFace continuará sendo em Toronto mesmo após a aquisição.

De olho no digital

A investida da L’Oréal não é um movimento novo. Anteriormente, a companhia francesa já tinha aportado dinheiro na plataforma de startups Founders Factory e na Partech Ventures, grupo de capital de risco.

Apesar da compra, a L’Oréal já tinha o seu próprio aplicativo de realidade aumentada. O MakeUp Genius foi lançado em março de 2015. A estrutura é bem similar ao aplicativo da Sephora, desenvolvido pela ModiFace.

Com esse movimento, a companhia pretende ampliar ainda mais a sua participação nas vendas pela internet. Somente no ano passado, o faturamento no e-commerce cresceu 33,6%, a € 2 bilhões. Para se ter uma base de comparação, a receita do grupo, que tem marcas como Maybelline, Lancôme e Yves Saint Laurent, aumentou 4,8%.