Prepare-se: vem mais inovação, disrupção e mudança por aí

O SXSW traz um painel das novas tecnologias – sim, elas existem – que estão chegando para gerar mais desordem e oportunidades. Confira

Por: - 5 meses atrás

Quais são os segredos para ser bem-sucedido na transformação digital que direciona os seus negócios? A busca por inovação é uma constante. E essa busca incessante motivou Minter Dial, CEO da The Myndset Company e Caleb Storkey, CEO da Storkey Media, a realizarem uma série de pesquisas.

Eles avaliaram os resultados, juntaram sua própria experiência e casos de sucesso e mapearam quais as tendências tecnológicas que irão provocar uma onda excepcional de mudanças nos negócios. Os resultados desse estudo foram apresentados no SXSW no painel: “À prova do futuro: prepare o seu negócio para a próxima disrupção”.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Na visão de Mintel, que fez uma apresentação solo, são 12 as tecnologias que terão força disruptiva, e é necessário saber como desenvolver planos de ação e buscar fatores de sucesso para enfrentar essa onda. Dial é um provocador reconhecido internacionalmente como uma das vozes mais perspicazes das mudanças provocadas pela era digital.

Qual é o seu QI Digital?

Mintel desafiou a plateia a se posicionar com relação ao seu “QI Digital”. Isso porque estamos sendo submetidos a um tsunami de novas tecnologias e muitos e muitos executivos estão claramente desconfortáveis com essa situação. Continuando a provocação, o executivo comenta que mais de 100 milhões de startups são criadas todos os anos no mundo todo.

Pois bem, como compreender de onde é quem está criando inovação? Suas pesquisas mostram largamente que as inovações disruptivas estão associadas às startups. Mais de 50% das inovações provém da força criadora delas. Apenas 6% vêm das grandes corporações. Por aí, podemos ver que o QI Digital das empresas tradicionais é muito, muito baixo.

“Seu mindset é que vai determinar o seu resultado”, afirma Mintel. 84% das empresas falham em seu processo de Transformação Digital. Isso se deve a problemas na cultura interna, na hesitação dos líderes, problemas de comunicação, que dificultam a tomada de decisões melhores.

Afogados em informação

Para Mintel, um dos grandes problemas é que as empresas recebem tanta informação que simplesmente não sabem como lidar com ela. Milhares de e-mails na caixa de entrada, centenas de mensagens para responder, e ao fim de cada dia as empresas veem seus executivos e talentos saírem esgotados de seus escritórios. E como lidar com a Transformação Digital com funcionários sofrendo de burnout? Não por acaso, apenas 17% das lideranças gozam da credibilidade de suas equipes mundialmente. Quase o mesmo índice de vendedores de automóveis…

Transparência é palavra de ordem

Se já vimos que os consumidores querem e demandam transparência, o mesmo vale para os colaboradores. O que eles sentem, invariavelmente, é a sensação de estarem a bordo do Titanic, de encontro ao iceberg. Saber para onde a empresa pretende ir é a base que sedimenta a cultura de inovação. É mais do que necessário reconfigurar nosso mindset.

À prova de futuro, qualquer que seja ele

Desenhar e comunicar claramente a estratégia, pensar em como elas atuam no nível pessoal, no plano interno da empresa e também no mercado, externamente, são premissas para reagir e ser receptivo à inovação. Ou seja, adotar o modelo “PIE” – Pessoas, Internalidades e Externalidades – para construir defesas e processos que a tornem resiliente às ondas de inovação e ainda a tornem hábil para identificar e aproveitar oportunidades geradas por essas ondas.

E quais são, então, as tecnologias mais disruptivas que afetam e irão afetar os negócios de hoje em diante?

As pesquisas de Mintel e Caleb, a partir da compilação de dados de laboratórios de inovação, da observação das ideias mapeadas a partir das criações das startups são: Mobilidade, Cyber Segurança, Blockchain, nuvem, Impressão 3D, Internet das Coisas, Direção Autônoma, Big Data, Armazenamento de Energia, web relacional, IA e Genoma.

IA desconstrói e reconstrói

Evidentemente, a Inteligência Artificial por si só tem o poder de aglutinar todas as demais tecnologias. Um exemplo dado por Mintel mostra pesquisas da indústria da beleza baseadas em robôs, capazes de diagnosticar, a partir de fotos de consumidoras quais as terapias de beleza mais indicadas para cada uma delas, com precisão absoluta. Mintel diz que todas as empresas deveriam investir sensivelmente em assistentes virtuais, como base de seu relacionamento com os clientes e então adotar 3 medidas fundamentais para lidar eficazmente com a IA:

Encontrar atividades que possam ser desempenhadas pelas IAs em seu negócio,
Alinhar a coleta de dados obtidos pelas IAs com a estratégia
Amplificar tremendamente a qualidade das decisões a partir do poder das IAs.

Buscar e trabalhar com IAs podem aprimorar a tomada de decisões para modelar negócios realmente imprescindíveis para seus consumidores.

E nada disso será possível, se as empresas não puderem prover sentido para a busca de orgulho, reconhecimento, lucros, que façam a empresas deixar um legado positivo para a sociedade e para o planeta. Mais de 70% das empresas seriam ignoradas pelos consumidores se desaparecessem amanhã.

Com IA ou sem ela, empresas sem sentido e responsabilidade serão como robôs sem tarefa: existirão para ocupar espaço.