Lições do Orkut – o homem, não a rede – sobre a vida e as mídias sociais

Fundador do Orkut e do hello conta como seus valores influenciam seu empreendedorismo. Para ele, as mídias sociais podem ser potencializadoras de gentilezas

Por: - 11 meses atrás

Quando olho para minha infância, eu realmente acredito que era tudo muito mais simples. Havia um elemento de toque humano, que está perdendo sua essência no mundo de hoje. O tempo mudou e eu também. Envelhecer pode ser lindo e assustador ao mesmo tempo – e esse sentimento me atingiu quando perdi meu pai. Ele era a pessoa mais gentil que eu conhecia e me ensinou a ser compassivo e trabalhador.

Meu pai um cirurgião que passou sua carreira cuidando de pessoas, que pagavam apenas o que podiam ou, se não podiam, ele não cobrava. Em seu funeral, todos os negócios e lojas da cidade onde estávamos na Turquia foram desligados para a procissão. Os moradores levaram seu caixão nos ombros por todo o caminho – do centro da cidade até o túmulo. Assim, meu pai mostrou o que significa deixar uma marca em outras pessoas.

Como adultos, discutimos as virtudes de honestidade, justiça, bondade e compaixão que aprendemos quando crianças. No entanto, o quanto realmente praticamos em nosso dia-a-dia? Quando nos desenvolvemos, entramos em um mundo completamente diferente – aquele em que a confiabilidade nunca é garantida e a revelação da verdade aparece como um ideal distante.

Muitas vezes sentimos que não somos bons o suficiente, que há muito mais para fazer e realizar. Nós nos esforçamos para atingir a perfeição que acreditamos que outros conseguiram. Na pressa de se tornar alguém e alcançar o marco distante, deixamos de perceber quem já somos.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Somos seres sociais e a conexão com outras pessoas é o que nos torna humanos. A melhor forma de encontrar alegria em nossas próprias vidas é trazer alegria para a vida dos outros. A tecnologia e as mídias sociais tornaram mais fácil a possibilidade de nos conhecermos e conectarmos, mas também podem ser armas de autodestruição. Nós passamos tanto tempo online que perdemos contato com o que realmente importa. Começamos a medir-nos não por quão verdadeiro somos com nós mesmos, mas por quantos likes e comentários recebemos em nossos feeds de notícias.

Há tanta competição, angústias, ciúmes e ódio no mundo que ao publicar momentos bonitos ou uma visão espetacular que teve você poderá ser julgado. A superexposição das mídias sociais e sua fácil acessibilidade tornaram a geração de hoje dependente. Quando eu ouço histórias sobre adolescentes influenciados pela plataforma virtual a ponto de quererem acabar com a própria vida, apenas porque se engajaram em um desafio, me sinto testando minha fé na humanidade. Como pode haver tanto erro em um mundo com tanto potencial para fazer o que é certo?

A esperança começa com a gente. Cada um de nós tem condição para ser honesto, gentil, justo e compassivo. Acredito com todo o meu coração que a tecnologia e as mídias sociais podem nos ajudar a tornar o mundo um lugar melhor. Há muito sonhei com um lugar que é mais esperançoso e gentil, um lugar sem filtros, onde nos sentimos seguros para nos expressarmos abertamente e honestamente, em que realmente nos importamos e nos apoiamos, onde podemos ser genuínos e íntimos, um lugar onde não precisamos ter medo – um lugar que deixaria meu pai orgulhoso.

Meus sonhos estão se tornando realidade na hello. Hello é uma rede social construída sobre amores, não gostos. hello é uma celebração de amor e amizade e união. É um ponto culminante do trabalho da minha vida, mas não posso fazer isso sozinho. Se você quiser criar uma rede social mais gentil, junte-se à nossa comunidade. Convide seus amigos e traga um vizinho e um estranho também. Juntos, somos mais fortes e podemos construir um mundo melhor.

*Por Orkut Buyukkokten, criador do antigo orkut.com e da nova rede social hello