O açúcar, a obesidade e a ação das empresas

O segundo assunto do Especial Alimentação é o açúcar e a obesidade ? qual a ação das empresas?

Por: - 3 anos atrás

O Ministério da Saúde divulgou, em abril, uma pesquisa que revelou o crescimento do índice de brasileiros acima do peso no país. Mais da metade da população está nesta categoria ? 52,5% ? e destes, 17,9% são obesos. Os números são da pesquisa Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), que coletou informações nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, com 41 mil entrevistas.

Além de destruir a homeostase do organismo (manutenção de condições estáveis para as células), o consumo em excesso de açúcar branco pode causar outras consequências graves:

1. Pode desativar o seu sistema imunológico e prejudicar suas defesas contra doenças infecciosas;

2. Desorganiza as relações entre os sais minerais no organismo ?  provoca deficiência de cromo e cobre; interfere na absorção de cálcio e magnésio;

3. Pode provocar um aumento rápido de adrenalina, hiperatividade, ansiedade, dificuldade de concentração e irritabilidade em crianças;

4. Pode provocar um aumento significativo no nível total de colesterol, triglicerídeos e mau colesterol e reduzir o do bom colesterol;

5. Provoca a perda de elasticidade e funcionalidade dos tecidos;

6. Alimenta as células cancerosas e está relacionado ao desenvolvimento de câncer de mama, ovário, próstata, reto, pâncreas, trato biliar, pulmão, vesícula e estômago.

Leia também: Ser saudável vai além da alimentação

O índice entre as crianças assusta ainda mais. Com menos de cinco anos, 7,3% das crianças estão com excesso de peso. Entre cinco e nove anos, o percentual de crianças com excesso de peso chega a 33,5%. Na adolescência, o quantitativo é de 20,5%.

A Nestlé afirma que a redução do teor de açúcar em seus produtos é uma das prioridades do programa de Pesquisa & Desenvolvimento. Entre 2001 e 2013, a empresa reduziu globalmente em 32% o conteúdo geral de açúcar dos seus produtos. Em 2007, com a introdução de uma política interna obrigatória, os esforços foram intensificados, focando em reduzir ainda mais os níveis de açúcar, especialmente nos produtos destinados às crianças. Em 2014, essa política foi fortalecida para reduzir o teor de açúcares em 10% (sobre o volume de vendas) em seu portfólio, ao longo de três anos (2014-2016).

Na Unilever, 100% do portfólio brasileiro não contém gordura trans originada de óleo vegetal parcialmente hidrogenado desde 2012. ?100% dos nossos sorvetes infantis contém até 110 kcal em cada porção; 100% das margarinas contém, no máximo, 33% de gordura saturada, no mínimo 67% de gordura insaturada e fornecem, no mínimo, 15% dos ácidos graxos essenciais recomendados pelas diretrizes nutricionais internacionais?, afirmam Isabella Rizzo, gerente de marketing Knorr, e Luciana Guernieri, gerente de marketing Ades.

Leia também: Alimentação não saudável mata mais do que o tabagismo

?A obesidade é um problema complexo, com múltiplas causas. Para combatê-la, devemos promover uma ampla discussão sobre o tema, visando o equilíbrio de calorias, com o intuito de estabelecer medidas efetivas que colaborem para a diminuição das taxas mundiais?, comentou Érika Salgado, diretora da categoria de Salgados da PepsiCo.

Em 2008, a empresa assinou o Compromisso Global com a Ação para Estratégias de Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde, estabelecido pela OMS. Por meio dele, as empresas participantes se comprometeram a reformular seus produtos e desenvolver inovações consideradas mais saudáveis, fornecer informações claras sobre a composição nutricional dos produtos, adotar restrições voluntárias relativas ao marketing de bebidas e alimentos, especialmente para crianças, promover atividade física e hábitos de vida saudáveis e fomentar/formar parcerias público-privadas para atingir as metas da OMS.

Para as crianças
Desde 2012 a PepsiCo, globalmente, não comercializa refrigerantes com açúcar em cantinas de escolas primárias e secundárias. A companhia participa de um movimento liderado pela ABIA (Associação das Indústrias da Alimentação) e aplica, no painel frontal das embalagens dos seus produtos, informações nutricionais, o GDA (Guideline Daily Amounts), para facilitar a compreensão e auxiliar a escolha dos consumidores.

Leia também: Excesso de sódio é problema social

?Em nosso portfólio contamos com produtos com baixa quantidade de açúcar, como Gatorade e Toddynho Light, e também com versões 100% sem açúcar, caso das bebidas gaseificadas light, Lipton sem açúcar e H2OH!?, afirmou Érika Salgado.

A Unilever possui a linha AdeS, que não contém conservantes e é produzido a partir de soja. ?A linha AdeS Max foi desenvolvida especialmente para as crianças, nos sabores abacaxi, laranja, pêssego, maçã, maracujá, uva e morango, que podem ser consumidos puros, em vitaminas, shakes e utilizados como ingrediente culinário para bolos e tortas. Possui seis vitaminas (B2, B3, B6, B12, C e Ácido Fólico) e dois minerais (Ferro e Zinco) em sua fórmula, além da soja, que é rica em proteína . Toda essa linha contém 37% menos açúcares e 27% menos calorias (comparado à média de mercado de bebida de soja)?, especificou Luciana Guernieri, gerente de marketing Ades.

Na Nestlé Brasil, 100% dos produtos direcionados ao público infantil estão adequados nutricionalmente, conforme os critérios da metodologia. No caso das Papinhas Nestlé, os produtos não são adicionados de açúcar e utilizam tecnologia que dispensa a adição de conservantes.

Unidos por Crianças Mais Saudáveis
A Nestlé acredita que a obesidade decorre de vários fatores, que podem agir isoladamente ou em conjunto. Entre eles está a ingestão aumentada de calorias, a falta de atividade física, além de fatores genéticos e emocionais. A companhia acredita, ainda, que uma solução eficaz para o combate à obesidade exige uma resposta multissetorial e que a Indústria tem um papel vital nesse processo.

Por meio dessa posição, a Nestlé decidiu encabeçar um movimento que promova mudanças de comportamento duradouras, incluindo incentivar o consumo em porções adequadas e a escolha de opções equilibradas para a alimentação das crianças. Com esse objetivo, a companhia acaba de lançar no Brasil o movimento ?Unidos por Crianças Mais Saudáveis?. Ele estimulará mudanças de comportamento que impactem de forma positiva a saúde dos pequenos.

O objetivo é incentivar a adoção de hábitos saudáveis de alimentação, com maior consumo de frutas e verduras e refeições em porções adequadas, além da prática regular de atividades físicas.  Por meio do engajamento de representantes do poder público e privado em diferentes esferas, como educação, saúde, esporte e alimentação, a Nestlé liderará um trabalho conjunto, aproveitando o potencial de cada um.

A fase piloto tem início no mês de junho e acontece em São José do Rio Pardo (SP), onde a Nestlé possui uma unidade fabril. Em um segundo momento será realizado um roll-out nacional, que apresentará o movimento para agentes da sociedade em todo o país.

Acompanhe o Especial Alimentação por meio da hashtag #alimentação.